Botânica, ecossistemas, microbiologia e zoologia são assuntos presentes nas aulas de ciências e biologia durante a educação básica que podem parecer muito abstratos aos estudantes se trabalhados apenas no âmbito teórico. Contra o problema, experimentos simples e atividades ajudam a conectar esses conhecimentos científicos à realidade dos estudantes, promovendo uma aprendizagem mais significativa.

São atividades mão na massa que partem do manejo de plantas, frutas, alimentos e da fotografia, sem que haja necessidade de laboratório na escola ou de muitos recursos financeiros. A seguir, separamos cinco sugestões para o professor aplicar com a turma.

Herbário

É uma coleção de partes ou plantas inteiras desidratadas, identificadas e fixadas em cartolina. O estudante pode criá-lo coletando espécies encontradas no entorno de sua casa ou escola. “A manipulação das plantas ajuda o aluno a transpor conhecimentos teóricos para a sua realidade, estabelecendo relações”, justifica o professor Carlos Eduardo Fortes Gonzalez.

Carpoteca

Coleção científica de frutos ajuda a explicar conteúdos de botânica como fisiologia e morfologia vegetal. A conservação é feita em potes de vidro transparentes, etiquetados com informações que permitam identificar o conteúdo. A forma como será feita depende se o fruto é carnoso ou seco.

Terrário

O terrário é uma das atividades práticas que ajudam a representar um ecossistema nas aulas de biologia e ciências da natureza. Para isso, mudas são plantadas em um ambiente hermeticamente fechado. A técnica pode ser adaptada para qualquer etapa de ensino. Na educação infantil, estimula inteligência espacial e criatividade. Ajuda a abordar biodiversidade nos anos iniciais do fundamental e ciclos biogeoquímicos, nos finais. Já no ensino médio, auxilia nos conteúdos de botânica”, aponta o doutor em ciências biológicas Anderson Portugal.

Insetário virtual

É uma coleção de insetos catalogados e identificados por sua família, ordem, gênero e, se possível, espécie. Sua versão física não é permitida na educação básica para garantir a preservação dos seres vivos, porém, é possível realizar com os alunos um insetário virtual, usando o celular para registrar os animais. A atividade é indicada para o 7º ano do ensino fundamental e para o 2º ano do ensino médio.

Experimentos com alimentos para explicar microbiologia sem laboratório

Para explicar aos alunos do ensino fundamental 2 como as bactérias se proliferam, é possível realizar um experimento com duas gelatinas incolores, uma misturada a caldo de carne e outra pura. Um cotonete retira bactérias de diferentes superfícies e as injeta nos potinhos, que serão observados a cada três dias. O mesmo princípio pode ser usado para estudar os fungos, mas usando amido de milho.

Veja mais:

Pokémon pode ser usado para ensinar vertebrados e teoria evolutiva nas aulas de biologia

Níquel Náusea: tirinha brasileira pode ser usada no ensino de biologia

Ensino interdisciplinar de biologia e química amplia compreensão dos alunos sobre questões do cotidiano

Biologia com geografia: abordagem interdisciplinar pode tratar do ciclo da água e impacto das enchentes

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Por que limite no ICMS sobre a gasolina prejudica escolas?

Especialista explica relação entre preço dos combustíveis e financiamento da educação

Chernobyl: série ajuda a explicar radioatividade e guerra fria no ensino médio

Professores indicam como explorar capítulos em aulas de química, física, história e geografia

Karatê na aula de educação física: como apresentar a arte marcial?

Brincadeiras, cartilhas e videoaulas ajudam professor a estruturar sequência didática

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.