O insetário é uma coleção de insetos catalogados e identificados por sua família, ordem, gênero e, se possível, espécie. Sua versão física não é mais permitida na educação básica para garantir a preservação dos seres vivos, como as abelhas, que já estão na lista de animais em extinção.

“Matar um inseto para estudo, na educação, contribui com a ideia de que o ser humano pode retirar o que quiser da natureza, sem prejuízos. Não agrega para uma educação da conservação das espécies, tão necessária no século 21”, justifica a bióloga, pedagoga e doutoranda em formação científica, educacional e tecnológica, Elaine Ferreira Machado.

Contudo, é possível construir com os alunos um insetário virtual. “Usando o celular como ferramenta de registro, podemos estudar sem precisar alterar ou interferir na natureza, ajudando a diminuir os danos que o homem causa no planeta”, acrescenta o docente da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Awdry Feisser Miquelin.

A criação coletiva desta atividade é indicada para o 7º ano do ensino fundamental e 2º ano do ensino médio. “Ela se relaciona com os conteúdos curriculares do reino animal, em específico os artrópodes e sua maior classe, a dos insetos”, explica Machado.

“Além disso, dialoga com os princípios de compreensão dos ecossistemas, as relações entre as espécies e permite trabalhar noções de taxonomia, que é a classificação dos seres vivos”, acrescenta a professora.

Confira outras atividades e experimentos para as aulas de biologia:
Plano de aula – Insetos: Um novo ângulo da biodiversidade
Criar um herbário escolar aproxima o ensino de botânica da realidade dos alunos
Experimentos simples ajudam a explicar microbiologia sem laboratório
Criação de carpoteca física ou virtual facilita aprendizagem sobre plantas

Quintal de casa

O insetário é geralmente composto por 10 a 20 tipos de insetos. A atividade pode ser realizada a distância, com os estudantes orientados a coletar no jardim e quintal de suas casas, de parentes ou em parques, sempre com a supervisão de um adulto.

Insetário virtual permite estudo dos insetos sem interferir na natureza, diz Awdry Feisser Miquelin (crédito: reprodução/perfil @insetario no Instagram)

“Há épocas melhores para a tarefa, já que insetos são abundantes na primavera e no verão. O docente deve considerar a estação e a região do país para planejar o trabalho”, recomenda Machado.

O catálogo de cada espécie fotografada exige o nome popular do inseto, seguido da classificação biológica (reino, filo, classe, ordem). Insira também o local da coleta (cidade, estado e país), o nome do coletor (sobrenome e iniciais) e data da coleta (dia, mês em algarismo romanos e ano).

Para a atividade, Machado também sugere apresentar as aquarelas da naturalista e ilustradora científica alemã, do século 17, Maria Sibylla Merian. “Os estudantes buscam inspirações nessas telas para a produção de suas fotos de insetos, observando mais o ambiente no entorno deles”, justifica.

Por fim, pode-se divulgar o insetário em posts informativos no Instagram, por exemplo. “É possível compartilhar pequenos vídeos também, como fez uma aluna que conseguiu imagens da abertura de um casulo e a saída da borboleta”, afirma.

Louva-deus registrado pelos alunos da professora e postado em rede social de fotos (crédito: reprodução/perfil @insetario no Instagram)

Para orientar professores de biologia sobre como implantar a iniciativa em aula, a docente criou o site Insetário Virtual. O trabalho foi orientado por Miquelin e reúne um guia de construção do insetário, sequências didáticas e um exemplo virtual, que pode ser consultado pelas turmas.

Também é possível ver um modelo criado pela professora com alunos do 2º ano do ensino médio e disponibilizado em um perfil no Instagram.

Crédito da imagem principal: divulgação @insetario

Deixe um comentário

Please Login to comment

Talvez Você Também Goste

Pré e pós-teste ajudam professor a identificar lacunas na aprendizagem

Objetivo da metodologia vai além do diagnóstico e auxilia retomada das dúvidas que permaneceram

Contos com temática amorosa ajudam a apresentar Eça de Queiroz ainda no fundamental

“Narrativas curtas preparam alunos para romances realistas do ensino médio”, diz professor Antonio Augusto Nery

Estudo de caso: 8 perguntas para utilizar essa metodologia de aprendizagem nas aulas

Ferramenta apresenta história com problema a ser solucionado pelos alunos a partir dos conteúdos curriculares

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.