A atividade de dissecação de flores pode ajudar no ensino do conteúdo de angiospermas, grupo de plantas com capacidade de produzir flores e frutos. Ele está previsto para as aulas de biologia no 8º ano de ensino fundamental e 2º do ensino médio. “Ensinar esse conteúdo apenas de forma expositiva pode trazer aos alunos dificuldade de visualização, já que algumas estruturas das flores são complexas”, descreve a bióloga e professora de biologia Ana Paula Russo.

“A atividade de dissecação de flores ajuda a compreender como ocorre o processo de polinização e a sua importância no desenvolvimento da biodiversidade”, acrescenta a bióloga e professora da Faculdade de Ciências e Tecnologia Dirson Maciel de Barros – (Fadimab) Maria Inêz da Silva.

Ela é autora do artigo “Dissecação de flores como proposta pedagógica para o ensino de botânica nas aulas remotas no curso de ciências biológicas” (2021).

Escolhendo a flor ideal

Silva explica que a flor de hibisco é uma das mais indicadas para a atividade de dissecação por ter estruturas evidentes e distintas. “Ela também é de fácil acesso por ser abundante e seu período reprodutivo”, acrescenta.

Uma segunda opção é o lírio. Caso eles não possam ser encontrados, Russo indica escolher uma flor que tenha partes bem definidas para facilitar a identificação das estruturas pela classe. “Deve ser acessível e estar em boas condições, ou seja, não estar murcha ou danificada”, orienta. “Além disso, deve ser de fácil manuseio. O ideal é que seja suficientemente grande para ser manipulada sem se desintegrar facilmente”, complementa.

Russo indica realizar a coleta de angiospermas junto aos alunos no entorno da escola. “Isso valoriza a região da escola, facilita a identificação de espécies da região e promove a exploração e observação científica”, lista. “Após a coleta, pode ser destacada a ecologia local, com fotos, comparações, pesquisa dos tipos de espécies e suas características”, adiciona.

Passo a passo da dissecação

Russo ensina como fazer a dissecação de uma flor de hibisco:

  • Manualmente, separe os calículos e as sépalas que compõem o caule.
  • Com o uso de uma “gilete”, o professor faz um corte longitudinal no estilete da planta, separando o androceu – órgão reprodutor masculino – do gineceu – órgão reprodutor feminino.
  • Faça um corte longitudinal no gineceu, mostrando os óvulos da planta aos alunos, que são as bolinhas presentes no seu interior. “Assim, é possível explicar que o polem para no estigma, desce pelo estilete e fecunda o vegetal no gineceu”, orienta Russo.

Com uso do microscópio ou lupa, a classe também poderá observar padrões de veias nas pétalas, número e forma dos estames.

“Ao final, os estudantes terão aprendido nome e função de cada parte da flor, assim como cada uma delas contribuem para a reprodução e sobrevivência da planta. Também terão aprendido sobre diversidade biológica”, completa Russo.

Veja mais:

6 atividades mão na massa para ensinar biologia

10 temas para ensinar biologia em uma perspectiva decolonial

Plano de aula – Ciclos de vida dos vegetais e suas características gerais

Plano de aula – Órgãos vegetais: o que comemos? Um estudo sobre os vegetais e a alimentação

Crédito da imagem: stevebphotography – Getty Images

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Conheça 9 dinâmicas para ensinar matemática a aluno com TDAH

Atividades lúdicas aliadas a conteúdos curriculares ajudam a trabalhar atenção e memória

Confira 11 orientações para ensinar educação musical a alunos surdos

Professores podem desenvolver atividades que explorem a vibração do som com toda a turma

Veja 3 ideias para usar RPG nas aulas de matemática

Jogo colaborativo estimula alunos a analisarem fórmulas e conceitos em situações fictícias

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.