Sete obras de gêneros diversos e de fácil acesso integram a lista de leitura obrigatória do vestibular 2021 da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Por conta do contexto da pandemia do coronavírus (covid-19), a Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest) reduziu a lista de livros indicados, tradicionalmente composta por 12 títulos. O motivo é a dificuldade de acesso a bibliotecas por estudantes da rede pública e privada de todo o país

As obras do vestibular Unicamp 2021 são de domínio público e podem ser encontradas gratuitamente no site Comvest. Confira essa seleção de podcasts que abrange todas elas. . Cada áudio conta com a participação de um especialista, que analisa as principais características literárias e históricas do livro em destaque.

O Ateneu, de Raul Pompeia

Novidade na lista da Unicamp deste ano, o livro trata da influência do meio sobre o sujeito (determinismo). “O colégio interno Ateneu exerce influência sobre a formação do indivíduo, principalmente o Sérgio, mas também sobre os outros alunos”, destaca o mestre em teoria literária pela Unicamp e professor de literatura do Anglo, Fernando Marcílio, entrevistado no podcast.

“O livro fala sobre as dificuldades que um adolescente enfrenta num colégio. Para figurar, para representar bem isso, o que o narrador [Sérgio] faz? Torna a sua escrita difícil, árdua para o leitor. Assim, quando quem lê sente dificuldade, ele, de alguma forma, se aproxima da situação que o próprio Sérgio enfrenta no colégio”, ressalta o professor.

O Marinheiro, de Fernando Pessoa

A peça “O Marinheiro”, de Fernando Pessoa, também estreia na lista deste ano. A obra mistura realidade, sonhos e expectativas de três irmãs. A cena se passa em um velório, em que uma delas comenta sobre um sonho que teve com a figura desse profissional. Segundo o professor e coautor do material de português do Sistema Anglo, Eduardo Calbucci, a peça promove uma fusão de planos narrativos. “Isto dá a sensação de que as personagens, tal qual o marinheiro do sonho, também não sabem se o que elas estão vivendo é realidade ou fruto da imaginação”, diz.

Sobrevivendo no Inferno, de Racionais MC’s

No álbum, lançado em 1997, cada letra de música ganha o patamar de um capítulo. O professor de música do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da Universidade de São Paulo (USP), Walter Garcia da Silveira Junior, analisa os recursos de linguagem utilizados, assim como a escolha do estilo épico de narrativa. “Você tem um narrador que constrói suas histórias, seus relatos na intersecção entre sua própria experiência, que é a experiência do rapper, e a experiência da sua coletividade”, destaca.

O Espelho, de Machado de Assis

O conto de 1882 utiliza uma perspectiva crítica, irônica e pessimista, iniciada na obra “Memórias Póstumas de Brás Cubas”. Segundo o professor de literatura do Cursinho da Poli, Cláudio Caus, o início da década de 1880 foi marcado pelo movimento abolicionista e em prol do fim da monarquia. “O conto, além de expressar a universalidade característica dos realistas, também tem como pano de fundo este contexto histórico-cultural brasileiro”, destaca.

A Falência, de Júlia Lopes de Almeida

Lançada em 1901, a obra é considerada um marco da transição entre as literaturas dos séculos 19 e 20. Há uma reprodução da sociedade do período, que evidencia problemas econômicos, morais e étnicos ainda não resolvidos nos dias de hoje. “Existe um incômodo histórico da autora, porque, em muitos livros pregressos – ‘Ana Karenina’, ‘Madame Bovary’, ‘Primo Basílio’ –, os casos extraconjugais levam a mulher à morte”, avalia o professor de literatura do Cursinho da Poli, Murilo Gonçalves.

Sermões de Quarta-feira de Cinza, de Antônio Vieira

Escritos no século 17 pelo jesuíta português Antônio Vieira (1608 – 1697), os três sermões de Quarta-feira de Cinza – produzidos para pregações nessa data – tratam da morte como cerne da consciência cristã. Os textos são discutidos pelo professor de literatura do Cursinho da Poli, Frederico Barbosa. A reunião desses três sermões traz argumentos relativos à eternidade, à hora da morte e às misérias da vida e dos vivos.

Sonetos escolhidos, de Luís Vaz de Camões

Para o vestibular de 2021, a Unicamp indicou como leitura obrigatória 20 sonetos de Luís Vaz de Camões. “Na seleção, o amor é o tema central. Neste sentido, alguns sonetos trabalham o neoplatonismo, em que o ideal é visto como mais interessante do que o real”, destaca no podcast o professor de literatura do Cursinho da Poli, de São Paulo, Frederico Barbosa.

Veja mais:

Estudar em casa: interpretação textual e tipos de linguagem
9 dicas de redação dos alunos que atingiram as melhores notas no Enem
Unesp disponibiliza sete cadernos de estudo para vestibulandos
Game gratuito oferece simulado de vestibular para alunos do ensino médio

Deixe um comentário

Please Login to comment

Talvez Você Também Goste

Notícias

12 podcasts para entender as obras do vestibular Unicamp 2020

Lista obrigatória é marcada por diversidade de autores, gêneros e correntes literárias

há 8 meses
Notícias

5 jogos de tabuleiro abordam literatura fantástica, educação financeira e vestibular

Material desenvolvido por estudantes da Fatec Sebrae pode ser baixado gratuitamente para impressão

há 3 meses
Notícias

Vestibular: 9 podcasts para entender os livros da Fuvest

Entrevistados analisam obras que integram lista de leituras obrigatórias da prova

há 11 meses
Notícias

Unesp disponibiliza sete cadernos de estudo para vestibulandos

Material didático é alinhado às Diretrizes Curriculares Nacionais e também pode ser usado em aula

há 1 ano

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.