Professores de filosofia e de sociologia já devem ter se deparado com o questionamento de alunos sobre a existência de pensadoras e pensadores negros. Tal situação revela uma percepção dos estudantes sobre um problema ainda presente nas ciências humanas, o chamado “racismo epistêmico”.

Historicamente, a formação da filosofia e da sociologia veio de fontes europeias e, posteriormente, norte-americanas. Povos que foram subjugados e colonizados, como os africanos e indígenas, tiveram muitos registros de conhecimento apagados ou subestimados. O resultado dessa exclusão nos campos do conhecimento é que os próprios docentes não tiveram a oportunidade de conhecer outras perspectivas quando estavam nas suas licenciaturas.

“Basicamente, não são autores negros e negras que abordam os problemas que os atingem diretamente na sociedade, tornando-os objetos de uma ótica somente branca”, explica o mestre em filosofia pela Universidade Federal do ABC (Ufabc) e professor da rede pública de São Paulo (SP) Fabiano Bitencourt Monge. Ele observa que o próprio Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD) reforça isso, trazendo como autores apenas acadêmicos dessa etnia nas obras indicadas para filosofia e sociologia.

Para completar, filósofos trabalhados nas escolas tiveram posicionamentos racistas em seu tempo, caso de Kant, Hegel e Voltaire. “Ao mesmo tempo, vozes da filosofia negra contemporânea, como o camaronês Achille Mbembe, a afro portuguesa Grada Kilomba e a representante do feminismo negro brasileiro Lélia Gonzalez não são apresentados aos estudantes”, lamenta Monge.

Para promover uma visão mais plural das ciências humanas, o Instituto Claro separou sete planos de aula de filosofia e sociologia que ajudam o professor a levar para a sala de aula os registros históricos de um conhecimento africano pré-Grécia Antiga. Os materiais também apresentam estudiosos negros da atualidade que refletem, em suas obras, sobre as origens e consequências da colonização e do racismo.

As sequências didáticas tratam dos estudos de Achille Mbembe, Grada Kilomba, Lélia Gonzalez, Frantz Omar Fanon e também de Martin Bernal, estudioso branco essencial para entender o apagamento histórico do negro nas ciências humanas. É ele o autor da obra Black Athena, que serviu para embasar a tese da influência da cultura egípcia sobre a filosofia grega.

“A intenção não é negar as referências europeias, que fazem parte da nossa cultura, mas incluir outras vozes nessa produção de conhecimento”, finaliza Monge.

As três teses do surgimento da filosofia: grega, africana ou pluriversal?

Este plano explora os pensamentos sobre a origem desse campo do conhecimento. Os alunos são apresentados às três teses do início da filosofia: grega, africana e pluriversal. Com isso, poderão aprender mais sobre a antiguidade, principalmente os períodos faraônico e grego; conhecer a filosofia por perspectivas não eurocêntricas; notar a importância de conhecer a matriz africana dessa ciência e combater o apagamento da produção de conhecimento pelos povos africanos.

Filosofia egípcia no Império Faraônico

Após conhecer a formação do Egito, os alunos serão apresentados aos pensadores – principalmente do campo da ética – anteriores aos gregos Platão e Aristóteles. Entre eles, são destacado Imhotep “O gênio”, Ptah-hotep e Amen-em-ope e sua ética da serenidade.

O livro Black Athena, de Martin Bernal, e o conceito de racismo epistêmico

Os objetivos são apresentar a obra Black Athena, do cientista inglês Martin Bernal, compreender o conceito de racismo epistêmico e a teoria do Estado por John Locke. Ainda não traduzida para o português, Black Athena é uma obra de três volumes e mais de duas mil páginas, na qual Bernal discute a relação que a Grécia tinha com os vizinhos africanos e asiáticos, entre eles, os egípcios e os fenícios. Estes últimos influenciaram a civilização grega e desempenharam papel formativo no povo heleno e, consequentemente, da sua filosofia. Bernal descreve que, a partir do século XVIII e por influência da Revolução Francesa, visões da África e Ásia como fontes para formação grega e europeia foram ideologicamente excluídas.

Conceitos da perspectiva afrodescendente: pretoguês e Améfrica Ladina

Os estudantes poderão conhecer a obra da filósofa, antropóloga, feminista e professora mineira Lélia Gonzalez (1935–1994). Ela defendeu a descolonização da forma como percebemos o mundo, nossa história e linguagem. Segundo a pensadora, o processo de colonização tirou a originalidade histórica e cultural de todo povo amefricano, mesmo sendo o continente africanizado e detentor de raízes indígenas anteriores ao homem branco. Gonzales ainda aponta a importância da memória para promover essa identidade descolonizada, ao garantir uma visão histórica que se sobrepõe ao extermínio, negação e exclusão.

A narrativa de Achille Mbembe e o conceito de necropolítica

Um dos principais pensadores contemporâneos, o filósofo camaronense, Achille Mbembe atualizou o conceito de biopoder de Michel Foucault, considerando agora as relações coloniais e o genocídio. Essa é a base do seu ensaio “Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte (2018)”. Para ele, a estrutura do necropoder se dissemina em setores que controlam as vidas dos que não possuem o direito de existir. Estes são marginalizados e, com isso, vulneráveis a serem massacrados pelas instituições.

Grada Kilomba: a condição da mulher negra no mundo

Plano de aula sobre Grada Kilomba (Lisboa, 1968), escritora afro-portuguesa, filósofa, artista interdisciplinar e feminista negra. Sua obra permite entender o projeto colonial de coisificação do sujeito negro, conhecer a filosofia por uma perspectiva não-branca e debater a percepção da mulher negra no mundo. Entre seus principais livros, destaca-se “Memórias da Plantação: episódios de racismo cotidiano”, que traz entrevistas com mulheres negras que nasceram ou vivem na Alemanha. Elas compartilham episódios de racismo ou objetificação em suas trajetórias.

O pensamento de Frantz Fanon e sua obra ‘Pele negra, máscaras brancas’

O plano de aula trata do pensamento do filósofo martiniquense Frantz Fanon (1925–1961). A sequência mostra como trabalhar com os alunos do ensino médio alguns dos seus conceitos, como alienação, humanismo radical, essencialismo tático e essencialismo estratégico. Além disso, permite reflexões sobre o colonialismo que apagou manifestações culturais e filosóficas não-brancas.

Veja mais:

Site reúne obras de filósofos africanos

Dossiê Cultura Afro

Plano de aula: Racismo raça e etnia

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Notícias

Senado acata sugestão popular para retorno da obrigatoriedade de filosofia e sociologia no currículo

Agora, proposta se tornará projeto de lei e irá percorrer comissões especiais do Senado

há 3 anos
Notícias

Plataforma permite visita virtual a Museu de Anne Frank

Iniciativa reúne fotos do esconderijo da família da adolescente judia e dados sobre o holocausto

há 2 anos
Notícias

7 links para usar a fotografia como recurso didático

Confira experiências e projetos que utilizaram imagens no ensino de geografia, história, sociologia e artes

há 3 anos
Notícias

O legado de Florestan Fernandes para a educação

Professor e sociólogo entendia a sala de aula como instrumento para consolidar a sociedade democrática

há 7 anos

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.