Da sigla LGBTQIAP+, queer é um termo complexo e que ainda gera dúvidas. Isso porque remete a três assuntos que se inter-relacionam: a origem da palavra; seu uso nos estudos acadêmicos sobre relações de gênero (Teoria Queer) e, mais recentemente, para nomear uma identidade (ser queer).

Traduzido para o português como “estranho”, “esquisito” e “bizarro”, queer era o principal xingamento contra homossexuais e travestis nos Estados Unidos. “No Brasil, o termo equivaleria a bicha, sapatão e traveco”, compara o psicólogo especialista em gênero e sexualidade Bruno B. Andrade.

A epidemia da AIDS, na década de 1980, reforçou a marginalização dessas populações, primeiros alvos da doença e que não contaram com políticas públicas. “A partir dessas constatações, foi criada a organização ativista Queer Nation (Nação Queer), em 1990. A palavra de injuria passou a ser usada de maneira orgulhosa e afirmativa”, explica Andrade.

Leia também: O que é intersexo?

Na mesma década, o termo queer – agora com novo valor — foi utilizado para designar os estudos nas universidades sobre as normas que regem as relações de gênero. “A teoria queer analisa dispositivos históricos de sexualidade e gênero que objetivam formar todos os seres humanos como cis-heterossexuais, para que organizem suas vidas em um modelo identitário apresentado como normal e natural”, resume Andrade.

Enfim, a identidade

Foi só recentemente que queer foi entendido como identidade. “Uma existência orientada pela teoria queer se coloca contra qualquer normalização e como diferente do que se espera socialmente. Orgulha-se de ser um dissidente sexual, de gênero e não se prender às identidades construídas e impostas pelo meio social”, diferencia Andrade.

“O Q é uma possibilidade de abertura, zona de múltiplas experimentações e de ser um corpo fora das obrigações sociais. Promove a suspeita constante da identidade fixa, autoritária e violenta”, resume a pesquisadora e poeta Tales D Millethus.

Tales D Millethus
Tales D Millethus se define “em estado de queerização”(crédito: acervo pessoal)

É o caso de Vans Dziudzik, de 31 anos, que se entende hoje como pessoa não-binaria – ou seja, que não se identifica com o gênero masculino ou feminino. “Aos 14 anos achava que era mulher cis e lésbica, mas as questões de gênero me incomodavam. Tentei compreender se era trans, mas não via sentido em virar a chave 180 graus e me tornar homem. Entender-me queer me apaziguou”, conta.

Confira: Vídeo – Como pessoas trans podem retificar nome e gênero em documentos?

Processo semelhante ao do artista visual Raphael Dumaresq, de 26 anos. “Foram muitas identificações antes de descobrir novos horizontes como queer. O termo me abraça por me colocar em um novo lugar de expressão de gênero e sexualidade”, afirma.

Raphael Dumaresq se identifica como queer
Raphael Dumaresq se vê como uma pessoa queer (crédito: acervo pessoal)

10 dúvidas sobre a letra Q

1. Queer é uma identidade?

“Todas as identidades são construídas. Então, se alguém se identifica como queer, ela existe e é válida. Mas não é consenso”, explica Andrade. “Isso porque dizer ‘eu sou algo’ torna a identidade fixa, autoritária, cristalizada, imutável e sem abertura ao contraditório. É o oposto de queer, que é trânsito e fluído”, diferencia Millethus, que se define “em estado de queerização”.

2. A pessoa queer pode ser outra letra da sigla LGBTQIAP+ também?

Sim, porque a sigla reúne identidade de gênero (como transgêneros) e orientação sexual (como gays, lésbicas, bissexuais etc.).

3. Toda pessoa trans é queer?

Não, muitas se identificam dentro do binarismo: gênero masculino ou feminino. “Cada pessoa é única e lida com sua subjetividade de forma singular. Não dá para representar todas as experiências trans em um único corpo. O todo é uma ficção”, afirma Millethus.

4. Toda pessoa LGBTQIAP+ é queer?

A dúvida se dá pela origem da palavra, que classificava como “estranho” todos que não eram cisgêneros e heterossexuais. Porém, há pessoas gays e lésbicas felizes com o que é considerado padrão. “Não basta dizer ‘sou bichinha’, mas submeter a identidade à crítica e refletir sobre ela”, opina Millethus.

5. Posso afirmar que alguém é queer?

“O que valida ser queer não é o olhar externo, mas como a pessoa se sente”, resume Vans.

Vans Dziudzik
Vans Dziudzik é uma pessoa não-binária (crédito: acervo pessoal)

6. Ser queer é moda?

Não. Enquanto a divisão entre gênero masculino e feminino proliferou na cultura europeia, corpos não-binários estiveram presentes em outras culturas. Caso das muxes, no México; aravanis, na Índia, entre outros. “Entender exige descolonizar o olhar”, orienta Millethus.

7. Como me dirigir a uma pessoa queer?

Como muitas são gênero fluído e não-binárias, o ideal é perguntar sobre quais artigos e pronomes elas gostariam de ser tratadas. “Se errar, desculpe-se sem fazer estardalhaço por isso, evitando provocar desconforto”, ensina Millethus. “Respeite sempre aquilo que a pessoa queer pede e comunica”, sinaliza Dumaresq.

8. Cultura drag queen é queer?

“A drag queen ou o drag king (mulheres que assumem persona masculina) usam a paródia para rir dos códigos de gênero, mostrando que eles são artificiais”, diz Millethus, que afirma também que a cultura drag foi importante para os direitos LGBTQIAP+, com transformistas liderando a Revolta de Stonewall.

9. E o reality show “Queer eye for the straight guy”?

Este surgiu em 2003 com cinco homens cisgêneros gays aconselhando heterossexuais sobre moda e cultura. O uso do “queer” no título era mais sobre dar um significado afirmativo àquele antigo xingamento contra gays, não representando uma identidade queer. Porém, reforçou o entendimento de que qualquer pessoa LGBTQIAP+ é queer por essência. Atualmente, o remake possui uma pessoa queer não-binária, Jonathan Van Ness.

10. Tudo o que você leu nessa matéria pode mudar?

Sim, as discussões estão em evolução e, como os entrevistados reforçam, não pretendem permanecer estanques. Além disso, cada pessoa queer é única em sua experiência e visão de mundo, com opiniões divergentes. “Se há homogeneidade, está longe do queer”, finaliza Millethus.

Veja mais:

Movimento de artistas trans defende importância da representatividade nas artes

Pessoa LGBTI+ com deficiência enfrenta preconceito e desinformação em ambos grupos

Respeitar e criar laços com idoso LGBTI+ ajuda a diminuir vulnerabilidade dessa população

EJA é recomeço para pessoas trans que não completaram os estudos

Lino Arruda lança HQ autobiográfica sobre transexualidade

Talvez Você Também Goste

Boletim de ocorrência que não prevê LGBTfobia impede real criminalização

Despreparo policial e descaso da justiça são outros empecilhos, aponta pesquisa

O que é assexual?

15 perguntas ajudam a esclarecer essa orientação presente na sigla LGBTQIAP+

10 direitos que todo idoso tem no Brasil

Garantia de renda, isenção em taxas e prioridade podem ser reivindicadas em todo o território nacional

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.