Segundo o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, o tema abrange qualquer alteração no clima ao longo do tempo por via natural ou decorrente da ação humana. Na educação básica, uma dificuldade é trabalhar o assunto de forma interdisciplinar, abordagem ignorada por diversos livros didáticos. Paradoxalmente, é justamente essa a forma como o assunto deve ser trabalhado.

“Por tratar das relações entre sociedade e natureza, envolve diversos aspectos da escolarização”, justifica o doutor em geografia e pesquisador do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS) João Vitor Gobis Verges.

Para os anos finais do ensino fundamental e ensino médio, o docente indica o uso da metodologia de projetos e os temas de desmatamento e crise hídrica como disparadores. Confira, a seguir, como diferentes disciplinas podem contribuir para um projeto em conjunto.

Ciências da natureza

Física, química e biologia explicam como a retirada da cobertura vegetal influencia nos fluxos de vapor de água que provocarão as precipitações de chuvas – os chamados “rios atmosféricos”.

“Conteúdos correlatos são as grandezas físicas, como pressão e temperatura”, explica o docente de biologia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT) Alexandre Fagundes Cesário.

Veja também: Continuidade do desmatamento pode causa colapso da floresta amazônica

As queimadas no desmatamento ilustram a liberação das moléculas de carbono na atmosfera, e como isso acelera o efeito estufa.  “Também é possível falar sobre o papel das vegetações no ciclo da água e na umidade do ar”.

Cesário recomenda infográficos e mapas conceituais como atividades. “Elas conseguem fazer a transposição didática de um conhecimento científico”.

Geografia

O foco é trabalhar tais aspectos físicos e bioquímicos que influenciam nos espaços geográficos, como os biomas, assim como as pessoas e a economia. “Um tema correlato é o avanço da fronteira agrícola em áreas de preservação, impactando indígenas”, ilustra Verges.

Assuntos como precipitação das chuvas e as secas também dialogam com a formação territorial do Brasil. “Já desabastecimento de água é sinônimo de falta de energia elétrica e ajuda a refletir sobre modelos alternativos”.

Alunos do ensino médio podem ser apresentados a temas mais complexos, como justiça ambiental.

“Para uma aprendizagem significativa, é fundamental sair da escola. Atividades possíveis são observar a cobertura vegetal e a ocupação da cidade; se o asfalto e queimadas influenciam no calor e qualidade do ar; visitar represas, entre outros”, lista.

Sociologia

Doutor em ciência, tecnologia e sociedade, Allan Rogério Veltrone indica trabalhar com os alunos quatro premissas. “A natureza é a base de todos os processos produtivos das sociedades. Os recursos naturais podem se esgotar. A ação humana pode ser a promotora desse esgotamento, mas também pode revertê-lo”.

Vale ainda discutir as mudanças na economia, nos sistemas produtivos e comportamentos individuais para frear o fenômeno. “Ou seja, como a lógica produtivista e consumista do capitalismo contribui e o que temos a ver com isso”, acrescenta o doutor em Sociologia e pesquisador do grupo Tecnologia, Meio Ambiente e Sociedade (Temas/Ufrgs) Gabriel Bandeira Coelho.

Outro ponto é como secas, enchentes e outros problemas associados à mudança climática afetam diferentes populações.

“Vale identificar os impactos a depender da localização social da pessoa, como raça, classe, gênero e região que habita. Entrevistar grupos sociais fora da escola ajuda na tarefa”, destaca

Alimentos mais sensíveis a mudanças climáticas tendem a se tornar mais caros, como tomate, café e peixes do mar. “Isso pode ser visto inclusive nas prateleiras dos supermercados e pode pautar atividades”, destaca Veltrone.

Ele ainda sugere aos alunos entrevistarem adultos sobre suas percepções a respeito de como o clima mudou nas últimas décadas. “Atentando-se apenas às posturas negacionistas”.

E no fundamental I?

Abordagens mais lúdicas ajudam a trabalhar o ciclo da água nos anos iniciais do ensino fundamental, incluindo canções, manifestações artísticas e a criação de campanhas.

Pedagoga e mestre em Educação, Meio Ambiente e Sociedade,  Mariana de Oliveira Tozato sugere formação continuada para o professor dessa etapa. “Basear-se em fontes de informação científicas evita equívocos e um olhar ingênuo”, alerta.

Ela ainda destaca a importância de o assunto orientar ações no cotidiano dos alunos. “Por exemplo, sabemos das cidades afetadas pelas chuvas intensas. Um fato significativo socialmente que pode marcar presença como objeto de estudo e de ações no trabalho pedagógico”, finaliza.

Veja mais:

Biologia com geografia: abordagem interdisciplinar pode tratar do ciclo da água e impacto das enchentes

10 projetos interdisciplinares para a educação básica

Plano de aula – Mudanças climáticas: Para entender e informar

Alunos podem aprender sobre mudanças climáticas com gincana virtual

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

3 jogos para ensinar cartografia

Atividades lúdicas ajudam alunos a interpretarem o espaço geográfico

7 filmes para ensinar Segunda Guerra Mundial

Obras abordam as batalhas, o Holocausto e a atuação dos pracinhas brasileiros no conflito

Gravidez na adolescência pode ser abordada nas aulas de geografia

Marcadores sociais das gestantes, como raça e classe social, ajudam no debate em sala

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.