Dos anos iniciais do ensino fundamental ao ensino médio, a música pode ser uma grande parceira na aprendizagem de matemática. “Um exemplo é a experiência de Pitágoras com o monocórdio, um instrumento de madeira com uma única corda. Este ajuda a contextualizar o ensino de frações”, exemplifica o matemático, músico e mestre em educação pela Universidade de São Paulo (USP), Fernando Barnabé.

Docente da educação básica, ele começou a trazer a música para as aulas após lecionar para uma turma de sétimo ano na qual havia pouco engajamento. “As atividades musicais ajudaram a aproximar os estudantes do conteúdo”, relembra. A experiência se transformou na dissertação “A melodia das razões e proporções: a música sob o olhar interdisciplinar do professor de matemática” (2011). Confira as dicas do especialista para aliar as duas áreas nas aulas:

Qual a relação da música com a matemática?

Fernando Barnabé: Essa conexão, no ocidente, data da Grécia Antiga. As fundamentações do que conhecemos hoje se iniciaram com Pitágoras. Ele desenvolveu o monocórdio, um instrumento de madeira com uma única corda. A partir de razões e proporções, o pensador pressionava partes diferentes da corda e analisava como elas vibravam. Foi o começo das escalas musicais. Depois, podemos citar o compositor Johann Sebastian Bach, que, no século 18, estudou as simetrias das notas musicais nas partituras. Na sequência, temos os estudos das frequências e ondas sonoras, pela matemática e física.

Para Fernando Barnabé, atividades musicais ajudam a aproximar os estudantes do conteúdo (crédito: arquivo pessoal)

Como ela pode ser utilizada no ensino da matemática?

Barnabé: O primeiro passo é não confundir o uso de música com paródias de canções famosas, para ajudar alunos a memorizarem fórmulas. Falar sobre a experiência do monocórdio de Pitágoras, por exemplo, ajuda a contextualizar o ensino das frações. Ou pensar sobre a relação das partituras com as frações do tempo – algo que já foi questão no Enem [Exame Nacional do Ensino Médio]. Esses exemplos ajudam a explorar as relações matemáticas partindo de conteúdos como razão e proporção até funções trigonométricas.

Como esse diálogo pode ser realizado nos anos iniciais do ensino fundamental?

Barnabé: Indico o monocórdio de Pitágoras. O instrumento pode ser elaborado com um pedaço de madeira e uma corda de violão ou fio de nylon, esticada e pregada nas suas pontas. Sugiro colocar uma caixa de sapato por baixo, para o som ter espaço para vibrar. O professor vai pressionando as frações da corda e mostrando a diferença de vibração em 1/2, 3/4, entre outros. Utilize um cavalete ou pedaço de madeira para marcá-la e pressioná-la. A segunda alternativa é analisar, com os alunos, partituras musicais e as simetrias que nela aparecem. São observados os locais onde sequências de notas se repetem, podendo alternar a altura ou o tempo de cada uma. Tanto Bach quanto o musicista brasileiro Arrigo Barnabé deixaram perceptíveis tais simetrias em suas composições. Estas sequências replicadas podem ser percebidas, por exemplo, na música “Office Boy”, de Arrigo.

Confira outros conteúdos do portal para as aulas de matemática:
Uso do teatro no ensino de matemática combina teoria com narrativa envolvente
Uso de mágica no ensino de matemática desperta interesse dos alunos pela disciplina
Pesquisar uso da matemática na profissão dos pais aproxima alunos da disciplina
Temas da antiguidade ajudam professores a aliar história e matemática em projeto interdisciplinar
Podcast – Trânsito também serve para ensinar física e matemática

Como esse diálogo pode ser realizado nos anos finais do ensino fundamental?

Barnabé: Pode-se falar de múltiplos e divisores ou mínimo múltiplo comum (MMC) a partir de atividades usando ritmo. O professor, por exemplo, faz a contagem em voz alta, do número um em diante. Os alunos, por sua vez, são divididos em dois grupos. O primeiro, bate palmas em um intervalo de dois em dois. O segundo, no espaço de três e três. A atenção fica para os momentos em que os grupos baterão palmas juntos, ou seja, quando se encontram. Para explorar a noção de ritmo em uma dinâmica mais lúdica e com a ideia de marcações, indico também usar canções da banda Barbatuques, como “Baianá”. Ela pode servir de base para a turma sobrepor a definição a partir da contagem proposta.

E no ensino médio?

Barnabé: Nesse segmento, o diálogo é com a física. Tubos sonoros e cordas vibrantes ajudam a explicar a frequência das ondas. Para esclarecê-las, usam-se funções trigonométricas.

O docente de matemática precisa entender de música para explicar a relação das duas áreas?

Barnabé: Não. Claro que se ele entender será mais fácil, mas não precisa ser um expert. Para falar sobre a simetria, basta selecionar uma partitura e olhar onde os desenhos se repetem. Uma dica é fazer uma parceria com o professor de artes, se este possuir formação musical poderá ajudar a explorar na partitura, por exemplo, a função dos símbolos relacionados ao tempo de cada nota e a relação da duração de uma com a metade da outra. Como a “mínima”, que tem duração do dobro do tempo da “semínima”.

Quais filmes e documentários podem ajudar a compor uma aula aliando ambos os temas?

Barnabé: “Donald no país da matemágica” é um clássico da Disney, de 1959, que mostra essa relação, incluindo uma cena em que o personagem bate um papo com Pitágoras sobre a estrutura da música ocidental. Indico ainda a série “Arte e Matemática”, produzida pela TV Cultura com o professor da Universidade de São Paulo (USP), Luís Barco. São 13 episódios em domínio público, disponíveis online gratuitamente.

Deixe um comentário

Please Login to comment

Talvez Você Também Goste

Pré e pós-teste ajudam professor a identificar lacunas na aprendizagem

Objetivo da metodologia vai além do diagnóstico e auxilia retomada das dúvidas que permaneceram

Contos com temática amorosa ajudam a apresentar Eça de Queiroz ainda no fundamental

“Narrativas curtas preparam alunos para romances realistas do ensino médio”, diz professor Antonio Augusto Nery

Estudo de caso: 8 perguntas para utilizar essa metodologia de aprendizagem nas aulas

Ferramenta apresenta história com problema a ser solucionado pelos alunos a partir dos conteúdos curriculares

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.