O teatro pode ser um recurso didático para o ensino da matemática nas mais variadas etapas de ensino. Para isso, a professora e pesquisadora, Andrea Gonçalves Poligicchio, sugere combinar a teoria com uma narrativa envolvente. “A disciplina não deve ser o ‘recheio’ principal da trama, mas complementar a narrativa”, explica.

A docente é autora da dissertação de mestrado pela Universidade de São Paulo (USP), “Teatro: materialização da narrativa matemática”. Confira as suas dicas para aplicar a dramatização como recurso pedagógico nas aulas da matéria. 

Qual a relação entre teatro e aulas de matemática?

Andrea Gonçalves Poligicchio: O teatro apresenta uma gama de possibilidades e de relações que podem ser trabalhadas. Como ele está vinculado a uma narrativa, esta pode ter o teor que o professor quiser: ser poética, científica ou, no caso, matemática. Essa forma de arte ainda trabalha fantasia e imaginação, que estão diretamente ligadas à abstração. Essa capacidade de sair da realidade concreta é esperada no tratamento da disciplina. Como resultado, ele ajuda a deixar conteúdos tidos como difíceis mais acessíveis.

Quais conceitos matemáticos podem ser trabalhados?

Poligicchio: Qualquer conteúdo, e em qualquer etapa, pode ser trabalhado: desde geometria, passando por estatística, lógica, matemática financeira e aritmética, até álgebra. Depende de como o professor vai adaptar isso para a aprendizagem e compreensão dos alunos. O ideal é que o conceito matemático seja o “recheio” da história, não a própria trama. Quando se pensa em teatro, imagina-se um enredo criativo e que envolva a atenção dos estudantes. Assim, a disciplina não deve ser o foco principal, mas complementar a narrativa.

Qual seria um exemplo de trama que alia narrativa envolvente e uso da matemática?

Poligicchio: Por exemplo, há uma teoria por trás da progressão aritmética (PA), que apresenta uma sequência de números. O uso do teatro possibilita a concretização disso. É possível usar objetos de cena ou personagens representando essa sequência. No ensino médio, a trama pode ser de mistério e contar com a PA para que os personagens solucionem um desafio, para descobrir qual será a próxima sucessão de números. Conforme a peça vai transcorrendo, eles podem comentar essa sequência: o que eles percebem, qual a regra de formação – que é somar um determinado número –, como se descobre esse número, qual será o próximo etc. Ou seja, a narrativa, personagens e os motivos apresentados são envolventes e a matemática é a chave para isso. Lógica e dedução são outros “recheios” interessantes para serem aproveitados.

Como usar a lógica e a dedução na narrativa teatral?

Poligicchio: A gente costuma acreditar que resolvendo problemas e exercícios de matemática, desenvolve o raciocínio lógico. Mas não é verdade. Muitas vezes, resolver listas de exercícios é um treinamento pautado na memorização. A lógica é abrangente e o professor pode trabalhá-la na peça por meio da dedução: brincar de detetive e encontrar a chave de um mistério. A dedução pode estar em uma narrativa na qual os personagens se deparam com diversas possibilidades. A cada pista, eles descartam uma delas. Ao eliminarem todas, encontram a resposta. A trama de “Alice no País das Maravilhas”, escrita por Lewis Carroll – que também era matemático –, utilizou o efeito da lógica, apesar de ter sido suprimida nas adaptações para desenhos. Há uma versão comentada do autor Martin Gardner desse clássico que pode servir de inspiração para o docente.

As tramas podem ser trabalhadas de forma colaborativa com alunos?

Poligicchio: Sim. Nesse caso, sugiro selecionar conteúdos que já tenham sido trabalhados em aula e pensar em uma história que eles poderiam estar envolvidos. Como os alunos são criativos, surgirão ideias diversas. Lembrando que ensinar matemática usando teatro é um treino tanto para o estudante quanto para o professor. Se o docente se sentir mais à vontade, pode adaptar histórias que já se encontram em livros paradidáticos e, com o tempo, ir criando peças originais com suas turmas. Ou, por exemplo, pegar um conto de fadas tradicional e, em grupo, adaptá-lo para uma versão com conceitos da disciplina.

Quais dicas para o professor de matemática que deseja utilizar o teatro como recurso didático?

Poligicchio: O docente não precisa saber lidar com recursos cênicos ou teatrais, pode ir aprendendo conforme vai aplicando a atividade, contar com a ajuda dos próprios alunos e, também, do professor de artes da escola. Sugiro que as atividades sejam realizadas de forma livre, espontânea e criativa, sem cobranças formais. Isso para justamente tirar o formalismo e rigorosidade, por vezes, vinculados ao ensino da matemática.

Veja mais:
Teatro é redescoberto como ferramenta de ensino e aprendizagem de física
Uso de mágica no ensino de matemática desperta interesse dos alunos pela disciplina
Pesquisar uso da matemática na profissão dos pais aproxima alunos da disciplina

Crédito da imagem: shironosov – iStock

Deixe um comentário

Please Login to comment

Talvez Você Também Goste

Brainstorm: 9 perguntas sobre a metodologia ativa de aprendizagem

Alunos usam criatividade e imaginação para solucionar problema relacionado ao conteúdo curricular

“As aventuras de Tintim” podem ser usadas no ensino de geografia 

Professor João Morandi lista 8 HQs do personagem e os respectivos conteúdos a serem trabalhados

Atividades cooperativas, sensoriais e artísticas ajudam a integrar aluno autista na educação física

Conhecer as características do estudante com TEA facilita adaptações de esportes e exercícios

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.