Cartografia é a arte e ciência de fazer mapas, representando o mundo de forma visual. Sua função é ajudar a entender a localização de lugares, a relações entre diferentes regiões e também planejar viagens e deslocamentos. Além disso, permite estudar e comunicar informações sobre a Terra de maneira clara e eficaz.

“Para os alunos, ela é importante para o conhecimento espacial e também para entender como a sociedade produz o espaço geográfico. A cartografia é indispensável para a interpretação dos elementos no e do espaço, ajudando-os a compreender o local onde vivem e a sua importância”, resume a mestra em geografia pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Rozilene Miranda.

Na educação básica, a cartografia está prevista para ser apresentada aos estudantes no 6º ano do ensino fundamental e no 1º ano do ensino médio. Nesses dois momentos, é indicado utilizar jogos no processo de aprendizagem, como defende Miranda.

“A ludicidade no ensino de cartografia permite uma aprendizagem prazerosa e descontraída. Os jogos em sala de aula ainda motivam os discentes a testarem o seu potencial sobre o tema ao máximo”, compartilha a professora.

Conheça abaixo três jogos indicados por Miranda que podem ser utilizados no ensino de cartografia na educação básica.

1) Quebra-cabeça de escala cartográfica

A classe é dividida em três grupos, cada um representando uma região do Brasil escolhida por Miranda. O primeiro passo é eles criarem o quebra-cabeça do mapa da sua região. Para isso, as equipes recebem cola, tesoura, papel emborrachado e dois mapas: um com uma escala grande e outro com uma escala pequena. As peças são guardadas em um envelope e redirecionados a outro grupo.

Nesse segundo momento, a equipe que recebeu o envelope tinha como desafio montar os mapas de escala grande.

“Eles precisavam diferenciar as escalas, explicando o porquê de um mapa ser grande e outro pequeno. A equipe que finalizasse a montagem primeiro ganhava o jogo”, orienta a professora.

2) Caça ao tesouro com orientação geográfica

Inicia com a turma dividida em dois grupos. Cada um deles recebe um mapa do Brasil, outro do estado onde a escola está localizada, uma rosa dos ventos e uma bússola.

“Foram distribuídos seis pontos na área total da escola com localizações precisas com a marcação da bússola, de direção norte, sul, leste e oeste. Em cada ponto tinha uma caixa, onde dentro dela havia duas perguntas sobre o tema”, descreve a docente.

Cada grupo foi orientado a achar as localizações da escola utilizando os materiais fornecidos a eles, tendo como base dicas mencionadas pelo professor-mediador.

“Na medida em que eles iam encontrando, um componente do grupo ia para sala responder a pergunta relacionada à localização no mapa do país, do estado ou na localização da escola. Desta forma, os demais continuavam a localizar os outros pontos. O grupo que encontrasse a maior quantidade de pontos e respondesse corretamente às questões ganhava”, compartilha.

3) Batalha naval

A turma é dividida em dois grupos. É elaborada uma tabela constituída de colunas relacionadas de 1 a 10 e linhas de A a L. “As colunas são referentes aos meridianos e as linhas na horizontal, aos paralelos”, explica Miranda.

Além disso, foram ilustrados os graus referentes à latitude, com o marco 0° na metade, como ponto da Linha do Equador, com 0° a 90° para o norte e sul. “E indicando a longitude foi ilustrado o marco 0° referente ao meridiano de Greenwich com graus de 0° a 180° para oeste e para leste”, ensina.

A tabela foi ampliada em tamanho de nove folhas de papel A4  e colada em papel cartão para melhor resistênca. Nela, foram inseridos dois barcos grandes, quatro médios, três barcos pequenos, sete bombas, e o restante dos quadrados eram correspondentes à água.

“Os alunos não sabiam as localizações exatas delas [as embarcações], apenas o professor”, diz. Cada embarcação possui um nível de pontuação. “Seis pontos para barcos grandes, quatro para médios e dois para pequenos, totalizando 34 pontos no jogo em geral. As bombas equivaliam a menos um ponto se elas fossem marcadas pelos competidores. E quem marcasse em água passava a vez para a outra equipe”, relata.

Cada grupo escolhia uma linha e uma coluna para jogar, sendo que, ao escolher ambas, a equipe tinha que localizar o ponto. “Por exemplo: C8 está correspondente a 60° latitude sul e 120° longitude oeste, e assim sucessivamente”, diz.

A equipe vencedora do jogo era aquela que marcasse mais pontos, ou seja, que acertasse maior número de embarcações.

Veja mais:

Plano de aula: O que é cartografia?

Plano de aula: Introdução à cartografia

Atividades lúdicas de geografia ajudam a introduzir cartografia no ensino fundamental

Saiba como trabalhar com mapas

Professor de geografia utiliza o entorno da escola para criar mapas colaborativos

5 ideias de RPG para ensinar geografia

Crédito da imagem: skynesher – Getty Images

1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
Avatar
Antonio Soares
18 dias atrás

Descobrir este site quando fazia pesquisa para complementar as minhas aulas de Geografia e após fazer uma pesquisa neste site quero dizer que é excelente e completo.
Hoje ele serve de referencia para minhas pesquisas.

Talvez Você Também Goste

Como usar histórias em quadrinhos para ensinar educação financeira

Armandinho e Turma da Mônica ajudam a abordar consumismo e sistema monetário

Veja 13 dicas para alfabetização e letramento do aluno com TDAH

Orientações ajudam estudante a manter foco e estimulam memória durante atividades de leitura e escrita

Brasil reduziu atraso escolar em 6,4% nos últimos cinco anos, aponta Unicef

Pesquisas sinalizam necessidade de diversificar estratégias para atingir diferentes alunos que abandonam a escola

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.