Literatura periférica é o nome dado à literatura produzida por autores que advêm da periferia, viveram ou ainda vivem em bairros periféricos das cidades. É o que explica o escritor e mestre em Estudos Comparados de Literatura de Língua Portuguesa pela Universidade de São Paulo (USP) Márcio Vidal Marinho.

“Diferente do realismo, que fazia uma exposição social de maneira ‘isenta’ e apenas relatava o que era visto, a literatura periférica é produzida por autores que nasceram, viveram ou vivem na periferia e produzem seus livros a partir dessa experiência, posicionando-se diante da desigualdade social”, diferencia.

“Há um eu poético que fala sobre sua experiência de pegar o ônibus de madrugada para trabalhar, de viver em condições precárias em uma sociedade que tem bilionários, da opressão social vivida diariamente, do combate ao racismo, da violência policial, de não estar em local com espaços culturais ou acesso à saúde. Apesar disso, são humanos: eles se relacionam, resistem, amam e choram”, resume.

Periférica X marginal

A literatura periférica é diferente da chamada literatura marginal, termo que surgiu nos anos de 1960, na França.“A literatura marginal é aquela produzida para contrapor um sistema ou algo que seja imposto socialmente. Escrever em defesa dos pobres, por exemplo, não lhe faz ser pobre ou ter vivido na periferia, indica seu posicionamento social, mas não sua experiência”, diferencia Marinho.

“Qualquer autor que se posicionava contra as opressões naquele momento era marginal, diferentemente do autor da literatura periférica, que necessariamente precisa ter vivido na periferia para que sua voz poética seja autêntica”, completa.

No Brasil, a literatura marginal de desenvolve a partir dos anos de 1960 e durante o regime militar, tendo como expoentes João Antônio e poetas como Roberto Schwarz, Ana Cristina Cesar, Torquato Neto e Chacal.

Ampliando conhecimentos

Autor da dissertação “Cooperifa e a Literatura Periférica: poetas da periferia e a tradição literária brasileira” (USP, 2016), Marinho destaca a importância de apresentar a literatura periférica aos alunos da educação básica. “Isso mostra que a literatura não é algo estático, mas contínuo, e que hoje a periferia produz sua literatura e seus espaços literários, como os saraus”, pontua.

Segundo o pesquisador, jovens leitores de escolas públicas podem se identificar e se reconhecer no processo literário periférico. “Quando o autor fala sobre o bairro paulistano de Capão Redondo, por exemplo, isso atrai imediatamente o leitor da periferia porque a experiência a ser narrada passa pela vivência dele também”, avalia.

A seguir, Marinho indica 5 livros de literatura periférica que o professor pode apresentar aos alunos nas aulas de literatura e língua portuguesa da educação básica.

Quarto de despejo: diário de uma favelada

Carolina Maria de Jesus, Ática, 2019

O diário da catadora de papel Carolina Maria de Jesus originou este livro, no qual relata o que viu, viveu e sentiu nos anos em que morou na comunidade do Canindé, em São Paulo, com três filhos.

Leia também:
Livro “Quarto de despejo” é objeto de estudos no Brasil e no exterior

Ética, moral e autonomia em Carolina Maria de Jesus

 

Literatura, Pão e Poesia: História de um povo lindo e inteligente

Sérgio Vaz, Global, 2021

Nesse livro, Vaz navega pelo mundo das crônicas e mergulha na alma dos invisíveis, dos desterrados, dos sem-nome, dos sem-lugar e dos sem cidadania.

Confira: Sérgio Vaz, poeta das ruas

 

Cronista de um tempo ruim

Ferréz, Editora Literatura Marginal, 2018

Cultura, política, sociedade, consumismo e violência contra os moradores da periferia são alguns dos temas que permeiam as crônicas do escritor, publicadas originalmente em veículos como Caros Amigos, Folha de S. Paulo, Le Monde Diplomatique Brasil, Revista Trip, e Relatório da ONU.

Cidade de Deus

Paulo Lins, Editora Tusquets, 2018

Publicado pela primeira vez em1997, o livro traz um panorama sobre a vida em uma das regiões mais pobres do Rio de Janeiro e que reflete problemas sociais vividos em regiões periféricas de todo o país. Baseado em fatos reais, o romance aborda temas como juventude, tráfico de drogas, governo paralelo, pobreza e variadas formas de violência.

Te pego lá fora

Rodrigo Ciríaco, Editora Nos, 2021
O autor revela as violências e epifanias das vidas trancafiadas em uma escola pública da periferia de São Paulo. São adolescentes vivendo em uma estrutura educacional toda feita contra eles.

Veja mais:

5 livros para entender o pensamento decolonial

Funk ajuda a discutir racismo e história negra com alunos

7 planos de aula para debater o racismo e conhecer pensadores negros

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Notícias

7 livros de Ana Maria Machado indicados para o ensino fundamental

Autora celebra 80 anos com títulos que podem ser apresentados para alunos do 1 º ao 9 º ano

há 12 meses
Notícias

7 livros para explicar conceitos políticos no ensino fundamental

Alunos podem aprender sobre sistemas de governo e entender participação da política no dia a dia

há 1 ano
Notícias

5 livros para inspirar o ensino da intertextualidade em sala de aula

Obras apresentam teoria, práticas e exemplos de produções que dialogam com outros textos

há 2 anos
Notícias

4 livros para desenvolver a inteligência emocional dos alunos

Exercícios ajudam estudante a administrar suas emoções e entender as dos colegas

há 2 anos

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.