Segundo dados do IBGE de 2021, o Brasil tem aproximadamente 8,5% da população com alguma deficiência. Além dos esportes coletivos e individuais presentes nas Paralimpíadas, trilha e rapel também podem ser praticados por PCDs.

Em São Paulo, a ONG Inclusão Radical promove a adaptação necessária para que as pessoas com deficiência realizem sonhos, superem seus medos e combatam o capacitismo. A vice-presidente da entidade, Natália Costa, avalia que é possível outros coletivos, grupos e até representantes políticos replicarem o trabalho em mais locais do país. “Tudo que precisa é simplesmente adaptar. A ONG junta as pessoas que estão dispostas a fazer essa vontade acontecer”, explica.

Neste vídeo, apresentamos os detalhes da adaptação dos materiais e a percepção de pessoas com deficiência sobre a prática. A dona de casa Eva Aparecida Aguiar, 49 anos, é deficiente visual e aproveita a fase adulta para fazer o que era proibida na infância devido ao receio da mãe. “O deficiente pode fazer tudo que ele quiser. Se ele tiver vontade, pode fazer, então isso me inspira”, diz.

Veja mais: 

Videocast criado por pessoas com deficiência debate o capacitismo

Massoterapia para pessoas cegas gera renda e combate capacitismo

Capacitismo: como se manifesta o preconceito contra pessoas com deficiência?

“Rejeitam pessoas com deficiência com base no capacitismo”, avalia procuradora

Linguagem inclusiva: 27 termos e comentários capacitistas para substituir no vocabulário

18 direitos da pessoa com deficiência

Atualizado em 13/03/2024, às 15h34.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Atividades ao ar live resgatam a interação social afetada pelo uso excessivo de telas

Conheça mitos e verdades sobre a dengue

Emprego na indústria têxtil é oportunidade de ressocialização para detentas

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.