Red pill é o termo utilizado para um movimento de homens que defendem uma “masculinidade dominante”, conforme explica a doutora em ciências sociais e pesquisadora do fenômeno Bruna Camilo de Souza Lima e Silva.

O conceito de “red pill” remete ao filme “Matrix” (1999), quando o personagem principal Neo tem a opção de tomar a pílula azul ou a vermelha. “Enquanto a primeira o manteria na ignorância da sociedade, a vermelha (red pill) lhe daria consciência sobre o que de fato acontece no mundo”, resume.

Segundo Silva, o termo foi apropriado por grupos de homens críticos à igualdade de gênero.  “O red pill começou como um termo e recentemente se tornou um movimento masculinista. E qual é a verdade que eles dizem difundir? De que as mulheres são aproveitadoras, controladoras e manipuladoras”, explica a socióloga, que pesquisou o discurso presente nos fóruns, canais de YouTube e cursos ministrados pelo movimento.

“A pílula vermelha os faria despertar da situação de manipulação promovida pelas mulheres, mais especificamente pelas feministas. E é essa mesma onda que cunhou o conceito de ‘feminazi’, uma forma pejorativa de chamar mulheres feministas ou que simplesmente contestam os papéis tradicionais de gênero”, acrescenta a doutora em história e coordenadora do grupo de pesquisa de gênero, trabalho e políticas públicas da Universidade Estadual do Paraná (Unespar), Isabela Candeloro Campoi.

Retaliação

Para Silva, os red pills difundem conceitos de masculinidade e feminilidade rígidos. “Há a defesa da masculinidade hegemônica de que o homem não deve demonstrar emoções, afeto, dividir tarefas ou abraçar outros homens. E também de uma feminilidade universal, com um padrão de beleza específico, geralmente branco, e com comportamentos tidos como adequados, como se submeter às necessidades e vontades desse homem e não usar um determinado tipo de roupa. Tudo isso para, assim, ser digna da companhia desse homem red pill”, compartilha.

“Já quem não se submete é chamada de ‘vagabunda’ ou ‘feminista’ e não merece estar nessa sociedade, ainda que o discurso seja às vezes sutil”, explica Silva.

Para a doutora em sociologia e líder do grupo Pandora – Estudos de Gênero e Sexualidades da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Loreley Garcia Gomes, o red pill é uma tentativa de backlash, ou seja, retaliação.

“É algo frequente no século XXI: quanto mais as mulheres ganham espaço, mais se tenta desfazê-las em todas as instâncias. É uma estrutura que não quer mudar, mas está mudando”, analisa.

Mesma opinião de Campoi. “Não restam dúvidas de que é um movimento misógino que se incomoda com as conquistas das mulheres das últimas décadas, principalmente no âmbito de costumes e comportamento”, opina.

“Liberdade sexual e autonomia em relação aos seus corpos proporcionaram às mulheres mais consciência e, consequentemente, lhes deram condições de identificar relações tóxicas e de não se permitirem manter relacionamentos abusivos, antes normalizados. Isso levou ao questionamento dos papéis tradicionais de gênero e das convenções sociais historicamente estabelecidas”, contextualiza.

“Há uma tentativa de retorno de um ‘macho alfa’ que controle o comportamento da mulher, que a coloque em situação de subalternização, reforçando o patriarcado“, complementa Silva.

Internet disseminou movimento

A internet foi fundamental na disseminação e estruturação dos “red pills” como movimento, conforme explica Silva.

“Por meio do YouTube, redes sociais e cursos, eles disseminam um ressentimento sobre como os movimentos feministas têm incidido na autonomia das mulheres, nos questionamentos de determinadas relações e nas masculinidades hegemônicas. Havia homens que já tinham o mesmo ressentimento, mas não conseguiam identificá-lo ou nomeá-lo. Por meio da internet, eles encontraram pares”, afirma.

Silva liga essa realidade ao preconceito. “Falar que mulheres devem se submeter aos homens é machismo, junto com a misoginia, que é a base desse movimento de ‘resgate’ da masculinidade”, descreve.

“Também está ligado ao discurso de ódio contra mulheres que não se submetem e contra homens que são vistos como fazendo concessões a elas”, finaliza.

Veja mais:

O que é feminicídio?

Sororidade: mulheres contam como o conceito transformou suas vidas

Talvez Você Também Goste

Pesquisa mostra que homens não se sentem preparados para exercer a paternidade

Orientadora do estudo entrevistou pais que revelaram insegurança e desconhecimento sobre a criação dos filhos

O que é ser travesti?

10 dúvidas respondidas sobre essa identidade transgênero feminina

Conheça 11 direitos da pessoa LGBTQIAP+

Maioria das conquistas foi estabelecida por decisões do Supremo Tribunal Federal (STF)

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.