Alertar sobre o combate ao câncer infantojuvenil por meio da divulgação dos sintomas da doença. Esse é o objetivo da campanha Setembro Dourado. A iniciativa, que ocorre desde 2008, é idealizada pela Confederação Nacional das Instituições de Apoio e Assistência à Criança e ao Adolescente com Câncer (Coniacc) e lembra que toda pessoa, quando bem informada à respeito da doença, serve como um difusor de informações entre amigos, parentes e colegas de trabalho.

“Caso venha a identificar alguns dos sintomas do câncer infantojuvenil em um filho, sobrinho, neto, enteado ou afilhado, ou até mesmo um filho de um amigo, a pessoa saberá como agir, indicando que o responsável pelo menor procure um médico”, justifica o presidente da Coniacc, Rilder Campos.

“A partir do momento que se tem conhecimento sobre as causas e sintomas, ela procurará ajuda o mais breve possível. Quanto mais cedo o diagnóstico, mais chances de cura. Ao final, toda a sociedade ganha”, destaca.

Reconhecer os sintomas da doença ajuda a buscar diagnóstico precoce (crédito: divulgação)

Entre os sinais e sintomas do câncer infantojuvenil estão: palidez; sangramentos ou manchas roxas sem traumas; febre prolongada sem causa definida; vômitos e dores de cabeça persistentes, principalmente pela manhã.

Pode ainda ocorrer alteração da marcha, da visão ou diminuição da força em pernas ou braços. Caroços em qualquer lugar do corpo; ínguas; dores no corpo e brilho branco nos olhos quando a criança ou o jovem aparece em uma fotografia que foi tirada com flash.

“Nossa principal bandeira é divulgar os sinais de sintomas e transformar isso numa cultura, reforçando que o câncer infantojuvenil é um problema de todos”, sintetiza.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), haverá mais de 12 mil novos casos de câncer infantojuvenil e, com o diagnóstico precoce, aproximadamente 80% poderão ser tratados com a doença ainda no início.

Além disso, a Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica (Sobope) lembra que a descoberta tardia faz da enfermidade a segunda causa de morte em crianças menores de 15 anos, perdendo apenas para fatores externos.

Veja mais:
Medula óssea: com terceiro maior banco de doadores do mundo, Brasil ainda enfrenta desafios
Aids: conheça os principais marcos da história da doença
Qual a importância da OMS? Especialista em direito sanitário explica

Deixe um comentário

Por favor, faça Login para comentar

Talvez Você Também Goste

Notícias

Desmatamento pode vir associado com expansão de rodovias, alerta relatório internacional

WWF aponta soja, pecuária e extração madeireira como causas do problema no Brasil

há 2 semanas
Notícias

Imigrantes africanos compartilham histórias em minidocumentário online

Filme traz relatos de cinco moradores do Rio Grande do Sul

há 2 semanas
Notícias

Documentário retrata contribuições científicas de universitários refugiados e imigrantes

Pesquisas de estudantes do Haiti focam em energia sustentável e universalização da saúde

há 2 semanas

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.