O Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é caracterizado por dificuldade em manter o foco por muito tempo, agitação excessiva e impulsividade, sintomas que geralmente aparecem na infância e podem continuar na vida adulta.

“Também pode vir associado a outros transtornos psiquiátricos, como os de linguagem, ansiedade e depressão”, descreve a psicopedagoga e fonoaudióloga Sther Soares Lopes da Silva.

Por conta disso, um quadro de TDAH costuma atrapalhar o desempenho acadêmico do aluno e dificultar o processo de alfabetização. “As dificuldades acontecem porque as habilidades – como pronunciar e reconhecer palavras rapidamente, compreender o texto e fazer conexões com o que já se sabe e funções psicológicas, como a atenção, concentração e memórias de trabalho – podem estar prejudicadas”, contextualiza o psicólogo e mestre em educação Samuel Antoszczyszen.

Silva destaca ser fundamental que o professor tenha uma didática em sala com estratégias facilitadoras que promovam a alfabetização de alunos com TDAH. “Esse estudante consegue aprender como qualquer outra criança, basta ajustar o ambiente no qual ele está inserido”, garante a educadora.

Conheça abaixo 13 estratégias para ajudar na alfabetização e letramento de estudantes com TDAH a serem aplicadas em sala de aula.

1) Faça perguntas antes de ler um texto

“É importante apresentar primeiramente o tema à criança para que ela entenda o contexto e, com isso, consiga entender e interpretar o texto lido”, assinala Silva.

Vale ainda questionar, por exemplo, o que a criança sabe sobre o tema e o que ela gostaria de saber antes de iniciar a leitura. “A exploração do conhecimento já adquirido traz motivação”, enfatiza Antoszczyszen.

2) Divida a leitura em segmentos

É indicado segmentar trechos ou mesmo realizar pequenos intervalos durante uma atividade de leitura. “A criança com TDAH apresenta maior dificuldade em decodificar a palavra e em memorizar, ou seja, um déficit na rota fonológica”, aponta Silva.

“Os intervalos devem ser frequentes para que a concentração, atenção e memórias sejam impactadas de forma positiva”, reforça Antoszczyszen.

3) Mude o tom de voz durante uma explicação

“Estudos demonstram que a modulação da voz está diretamente ligada à retenção de informações. Já a voz monótona e sem variações de amplitude atrapalha”, ressalta Antoszczyszen. “Além disso, dar exemplos práticos e falar diretamente ao aluno são outras práticas que se mostraram mais bem-sucedidas”, complementa o mestre em educação.

4) Criar pequenas histórias ilustradas

Incentive o aluno a desenhar e depois a criar pequenas frases para contar uma história. “Isso ajuda a despertar o interesse e melhorar as habilidades com a escrita”, afirma Antoszczyszen.

5) Ajude o aluno a ter uma rotina

“O aluno com TDAH precisa de rotina em casa e em sala de aula. Essa organização é fundamental para alavancar o aprendizado”, explica Silva. “Organize as tarefas por prioridades. Faça lista de tarefas, utilize alarmes como lembrete, estabeleça horários para lazer, lições, ajudar na arrumação da casa, brincar, entre outros”, acrescenta.

“É necessário um espaço de tempo para que as repetições se tornem memórias para o cérebro no longo prazo. A rotina colabora com isso”, ilustra Antoszczyszen.

6) Motivação e incentivo devem ser constantes

Antoszczyszen explica que a dificuldade de concentração pode fazer com que as crianças com TDAH se sintam incapazes. “Incentivá-las enquanto estão fazendo os exercícios e também elogiar quando elas concluem os trabalhos faz com que se sintam mais confiantes. Essa confiança as estimula a continuar com os estudos mesmo que seja complicado focar”, recomenda. “Da mesma forma, não desqualifique a criança pelos erros nas tentativas de alfabetização”, indica o educador.

7) Incentive o aluno a fazer leitura em voz alta

“Ouvir a si mesmo lendo ajuda na concentração”, aconselha Antoszczyszen.

8) Atenção à localização do aluno dentro da sala de aula.

“É importante colocá-lo para sentar longe de portas e janelas e trazê-lo para próximo do professor para evitar as distrações”, lembra Silva.

9) Cuidado com o excesso de estímulos em aula

“Um ambiente de estudo que seja tranquilo e sem excesso de informações visuais faz toda diferença. E modifique o ambiente de sala de aula assim que perceber que a criança está se distraindo por algum motivo”, alerta Silva.

10) Use uma linguagem clara e direta ao orientar os alunos

Antoszczyszen recomenda passar uma instrução por vez ao aluno e evitar orientações muito longas, sejam orais ou por escrito. “Aborde um determinado tema colocando ênfase em palavras-chaves”, acrescenta Silva.

11) Peça que o aluno com TDAH repita as instruções

Isso ajuda a reforçar se ele entendeu o que lhe foi solicitado. “Porém, faça isso sempre evitando uma exposição negativa deste aluno diante dos colegas”, alerta Antoszczyszen.

12) Ensine em salas amplas

 “A agitação psicomotora exige que essa criança se manifeste por meio do seu corpo, por isso salas amplas e espaços abertos são muito bem-vindos, assim como atividades lúdicas, que envolvam música e teatro”, destaca Antoszczyszen.

13) Faça perguntas logo após a terminar a explicação

Isso ajuda na manutenção do foco e da atenção, na verificação da compreensão sobre a atividade proposta e proporciona um reforço da memória de curto prazo.

Veja mais:

10 dicas para a alfabetização de alunos autistas

9 orientações para a alfabetização de crianças cegas

Crianças com síndrome de Down: especialistas dão 8 dicas de alfabetização

Saiba como identificar sinais de dificuldades na alfabetização das crianças

13 orientações para realizar uma sondagem de alfabetização

Crédito da imagem: Jose Luis Pelaez Inc – Getty Images

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Veja 3 ideias para usar RPG nas aulas de matemática

Jogo colaborativo estimula alunos a analisarem fórmulas e conceitos em situações fictícias

Lembranças dos alunos podem ser usadas no ensino de língua inglesa

Painel autobiográfico com fotos, desenhos e objetos ajuda a trabalhar vocabulário e tempos verbais

Como usar histórias em quadrinhos para ensinar educação financeira

Armandinho e Turma da Mônica ajudam a abordar consumismo e sistema monetário

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.