A saga do bruxo Harry Potter pode ajudar professores de química a trabalharem diferentes conteúdos no ensino médio.

“As reações químicas se assemelham muito à magia e são transformações inesperadas. Já o conteúdo de soluções pode ser associado à criação de poções”, destaca a professora de química do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE – Campus Limoeiro do Norte) Renata Chastinet Braga.

“Como os secundaristas já conhecem muitos livros, filmes e produtos de entretenimento, associar os filmes e livros do Harry Potter à aula aproxima eles do conteúdo de química”, justifica.

Conheça três atividades que podem ser aplicadas em turmas do ensino médio.

Cerimônia de poções

No final do primeiro livro da saga, os personagens precisam resolver um enigma sobre poções. Braga e colegas do IFCE se inspiraram nessa cena para criar uma sequência didática interdisciplinar, iniciada com os alunos recebendo uma carta para participar de uma cerimônia de poções seletoras.

“No filme, os jovens bruxos são divididos em ‘casas’. Nós os dividimos em tribos, sendo que cada uma delas recebeu um tubo de ensaio aleatório com uma solução de repolho roxo. Dependendo do pH da substância adicionada a essa solução, a coloração dela mudava. Poderia ficar vermelha com vinagre; azul, com água; amarela, com água sanitária; ou verde, se adicionado bicarbonato de sódio”, relata.

Assim como ocorreu no livro e no filme, com os estudantes de bruxaria nomeando as poções criadas, as professoras de química e língua inglesa convidaram os alunos a darem nomes para as soluções usando palavras em inglês.

 “Por exemplo, a reação KMnO4 + H2O2 recebeu como sugestão de nome ‘Gasify’. A reação CuSO4 + NH4OH recebeu o nome de ‘Blue Sky’”, conta Braga, que narra a experiência no artigo “Transformando a química em magia” (2018).

A mestra em química pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) Thays Cristina Boni Bonifácio também indica o tema de poções para trabalhar reações químicas.

Na coletânea “Harry Potter na escola”, do coletivo Professores Mágicos, Bonifácio sugere uma atividade inspirada no capítulo 18 do livro “Harry Potter e o enigma do príncipe”, quando o professor Horácio Slughorn solicita aos alunos de Hogwarts que destilem as poções em suas bancadas, identificando cada componente e os separando em frascos distintos.

Na atividade com os estudantes do ensino médio, cada bancada também tinha uma ‘poção’, ou seja, uma mistura homogênea ou heterogênea previamente preparada.

“Os alunos devem fazer a identificação seus componentes e registar no caderno de ‘poções’. Depois, precisam classificar a ‘poção’ como mistura homogênea ou heterogênea e realizar a separação dos componentes de cada uma delas. Devem registrar também as vidrarias usadas e o porquê da seleção dessa técnica de separação”, orienta.

Ligações químicas e algodão doce

Em seu artigo, Bonifácio também sugere estudar os conteúdos de viscosidade, pontos de fusão e ebulição das substâncias e estruturas dos sólidos usando o tema “a química dos doces da Dedosdemel”.

Isso porque o algodão doce, sucesso entre alunos de Hogwarts, é feito basicamente de sacarose, cuja fórmula molecular é C12H22O11.

A mestra em química explica que o algodão doce fica fofinho por um processo chamado de trefilação: o açúcar é colocado em um recipiente com aquecimento, fazendo-o chegar próximo ao seu ponto de fusão.

“Quando ele atinge essa temperatura, fica viscoso e, através de orifícios que em contato com o ar circulando na área externa, uma bacia de metal, formam-se linhas bem finas que ficam retidas na bacia”, descreve Bonifácio no artigo.

Segundo a docente, antes de uma atividade prática com algodão doce, o professor deve falar sobre os conceitos de viscosidade e trefilação do açúcar.

“[Isso] envolve ponto de fusão, as estruturas cristalina e amorfa do açúcar e a interação das moléculas de água com as moléculas de açúcar”, completa.

Criar tabela periódica com personagens

Assim como cada elemento químico tem sua característica em comum e é organizado em famílias (grupos) na tabela periódica, os personagens de Harry Potter também podem ser divididos e ilustrados a partir das suas características.

Usando um diagrama baseado na tabela periódica – 7 linhas e 18 colunas, 118 personagens –, os alunos podem organizar os ‘elementos’ da saga que tiverem semelhanças em suas características.

Bonifácio traz como exemplo trabalhar o grupo dos elementos dos malvados: Vl (Voldemort), Bl (Bellatrix Lestrange), Gg (Gerardo Grindelwald), Lm (Lucius Malfoy), Pw (Pedro Pettigrew) e Du (Dolores Umbridge). 

Veja mais:

Quadribol: jogo de Harry Potter pode ser adaptado na educação física

Filmes de Harry Potter ajudam no ensino de física

Química decolonial: professores relacionam currículo com saberes africanos e indígenas

Estudar produtos de limpeza aproxima química do cotidiano dos alunos

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Gravidez na adolescência pode ser abordada nas aulas de geografia

Marcadores sociais das gestantes, como raça e classe social, ajudam no debate em sala

Heróis dos quadrinhos ajudam a ensinar conteúdos de botânica

Personagens do reino vegetal podem ser abordados no estudo de taxonomia e fisiologia

Cápsula do tempo ajuda a trabalhar contextos históricos em sala

Itens arquivados por escola paulista em 1922 podem ser consultados online

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.