O Kahoot é uma plataforma que permite ao professor criar um jogo de perguntas e respostas online e interativo. As questões são respondidas pelos alunos, individualmente ou em grupo, via celular. Como benefício, é possível saber instantaneamente quais os principais erros sobre o conteúdo abordado e, com isso, sanar as dúvidas conforme elas forem surgindo nas interações.

“O aplicativo possui a mecânica dos games: desafio (perguntas), bonificações (os pontos conquistados) e competitividade (ranking). Isso gera motivação no processo de ensino e deixa a avaliação da aprendizagem mais lúdica”, analisa o professor do Departamento de Educação II, da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), João Batista Bottentuit Junior.

“A atividade permite que o estudante alcance o flow, estado mental em que fica imerso na sensação de energia, prazer e foco. Isso dribla estresse, ansiedade e o deixa mais aberto ao aprendizado”, afirma o professor de língua inglesa da Faculdade de Tecnologia do Estado de São Paulo (Fatec), de Osasco, Jeferson Cipriano.

Feedback imediato

Para criar o jogo com o conteúdo desejado, é necessário se cadastrar no site do Kahoot. A versão gratuita da plataforma permite produzir um quiz para até 50 participantes com dois tipos de questões: múltipla escolha e verdadeiro ou falso. Cada pergunta pode ter uma ou mais respostas corretas. “Elas devem ser claras e objetivas”, recomenda Junior. O prazo para o participante respondê-la será de cinco segundos a dois minutos, dependendo do nível de dificuldade do assunto.

Jogo criado, o docente receberá um código para transmitir à turma. Os alunos, individualmente ou em grupo, entrarão no site e informarão esse número para acessar o quiz no celular.

Se a atividade for realizada em aula presencial, será necessário um computador, para a classe se reunir em volta dele. Isso porque as perguntas vão aparecer na tela do aparelho, já as alternativas surgirão no celular dos estudantes.

Outra possibilidade é ter um retroprojetor e cabo, para projetar o monitor na lousa, caso a escola disponha desse equipamento.

Ao final do tempo, o aplicativo informa no celular do aluno se sua resposta estava certa ou errada. “Quanto mais rápido ele responder à pergunta corretamente, mais pontos ganhará”, explica Cipriano.

Na tela do computador do professor, é informada a quantidade de acertos e o que cada um assinalou nas alternativas. Isso permite que ele identifique os erros mais comuns dos alunos em cada questão e explique aquele ponto de imediato.

“O feedback em contexto de jogo pode ser recebido com mais tranquilidade”, opina Cipriano.

A segunda maneira de utilizar o quiz é de forma remota. Se a atividade ocorrer em tempo real com todos reunidos em um mesmo aplicativo de videochamada, o professor pode compartilhar sua tela com os estudantes.

“Outra possibilidade é a geração de um link onde os alunos podem responder ao desafio de forma remota, mas em horários diferentes. Neste caso, será necessário que todos tenham dispositivo para acesso à internet e conexão”, lembra Junior.

Diagnóstico e planejamento

O quiz pode ser aplicado tanto no início da aula, para um diagnóstico dos conhecimentos prévios da turma, quanto ao final, para checar a aprendizagem do ensinado naquele dia. Outra opção é seu uso na revisão do conteúdo antes de uma prova ou avaliação.

“Eu costumo usar como aquecimento, fazendo cinco perguntas sobre algo que aprendemos no encontro anterior. Ou como diagnóstico, medindo o que eles já sabem sobre um determinado assunto”, compartilha Cipriano.

“Os resultados refletem o perfil do aluno e da turma, mas também a performance do professor. Se mais da metade da classe apresentar um baixo desempenho, significa que as atividades de ensino não foram bem aproveitadas”, alerta Junior.

O desempenho dos estudantes no jogo também pode servir de bússola para planejar as aulas futuras. “Identificam-se as áreas que precisam de reforço”, aponta Cipriano.

Veja mais:
Em vídeo, pesquisadora responde principais dúvidas sobre gamificação como estratégia pedagógica
E-book gratuito ensina a usar gamificação em sala de aula
Gamificação na escola também é possível com jogos físicos
Engajamento, criatividade e colaboração são benefícios do Minecraft em aula

Crédito da imagem: divulgação

Deixe um comentário

Please Login to comment

Talvez Você Também Goste

Novo CNE pode estimular guerra ideológica e prejudicar medidas pós-pandemia, analisam especialistas

Ex-conselheiros enxergam perda de espaço de representantes do setor público no Conselho Nacional de Educação

Pré e pós-teste ajudam professor a identificar lacunas na aprendizagem

Objetivo da metodologia vai além do diagnóstico e auxilia retomada das dúvidas que permaneceram

Contos com temática amorosa ajudam a apresentar Eça de Queiroz ainda no fundamental

“Narrativas curtas preparam alunos para romances realistas do ensino médio”, diz professor Antonio Augusto Nery

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.