Brainstorm significa tempestade cerebral ou de ideias. É uma técnica criada nos Estados Unidos, em 1939, pelo publicitário Alex Faickney Osborn, mas publicada apenas em 1953. “Ele observou que seus funcionários precisavam ser mais criativos e propôs discussões em grupo para fomentar ideias”, explica a pedagoga e coordenadora pedagógica do Colégio Estadual Santa Bernadete (GO), Helen Tatiana de Oliveira.

Com o passar das décadas, a iniciativa foi incorporada pela educação e se transformou em uma metodologia de aprendizagem ativa.

A seguir, confira nove perguntas sobre o uso desta prática em aula:

Como o brainstorm funciona?

O professor traz uma pergunta ou problema sem resposta simples à classe. “Todos os alunos contribuem com sugestões, mesmo que pareçam não ter sentido”, detalha o diretor acadêmico da União de Ensino Superior de Viçosa (Univiçosa), Per Christian Braathen.

As ideias são postadas ou escritas em um quadro. “Chega-se, então, a um consenso sobre a melhor proposta”, acrescenta.

O indicado é que cada rodada dure até 20 minutos. “A intenção é coletar o máximo de ideias, que todos exponham sua opinião e ninguém se sinta constrangido”, destaca Oliveira.

“As perguntas devem estar claramente relacionadas ao currículo, mas sem serem óbvias, algo que a resposta esteja em uma busca rápida na internet”, pontua ela.

Quais as orientações para o professor?

Oliveira destaca a definição de objetivos pedagógicos claros antes de iniciar a proposta. “Comece com temas de domínio dos estudantes e habilidades já adquiridas para depois seguir para a aquisição de novas habilidades”, sugere a professora.

Alguns professores temem perder o controle da situação e que vire bagunça. “Para evitar isso, explique detalhadamente a proposta e faça combinados prévios. Vale também definir os problemas a serem trabalhados junto à classe”, acrescenta.

Quais as orientações para os alunos?

Falar um por vez, apresentar quantas ideias quiser, construir a partir das sugestões dos pares e encorajar ideias novas. “Deve-se manter o foco no assunto proposto e não fazer críticas nem julgamentos que inibam a participação dos demais”, explica Oliveira.

Brainstorm pode ser considerada uma metodologia de aprendizagem ativa?   

Sim. “Nela, o estudante participa ativamente, e não há apenas o professor falando e escrevendo”, explica Braathen.

“Diferentemente do método tradicional em que o professor é tido como detentor do saber que transmite conhecimento aos alunos por meio da repetição e memorização de conteúdos, o brainstorm torna o estudante protagonista do aprendizado. O docente atua como mediador do processo”, compara Oliveira.

Qual sua relação com o design thinking?

O brainstorm é uma das ferramentas usadas no design thinking, processo no qual os estudantes também buscam soluções para um problema por meio da imaginação. O design thinking conta com cinco fases: 1) Observar e definir o problema; 2) Compreender e interpretá-lo; 3) Idealizar, imaginar e inventar; 4) Experimentar e testar; 5) Evoluir e comunicar. Nesta última, o grupo pode produzir um produto, como jogo, maquete, desenho, portfólio ou outro. “O brainstorm faz parte da terceira etapa”, aponta Oliveira.

Quais as contribuições para a aprendizagem? 

“Por ser uma metodologia que estimula o livre pensamento e a criatividade, contribui para uma aprendizagem significativa”, diz Braathen.

Quais habilidades são trabalhadas?

Comunicação, cooperação e respeito pela opinião do outro. ”Autonomia, criticidade, responsabilidade e empatia também”, acrescenta Oliveira.

Ela pode ser utilizada em todas as disciplinas e áreas de conhecimento?

Sim, incluindo o uso interdisciplinar. Um determinado problema pode exigir que o aluno acesse diferentes saberes. “Ou seja, um conteúdo permeia o outro, percorrendo diversas disciplinas”, justifica a professora.

Qual o ganho de utilizar o brainstorm na escola ou na educação?

“Tanto no meio corporativo quando na educação, as ordens do dia são inovar e cooperar”, sintetiza Braathen. Em ambos, o erro passa a ser valorizado como uma etapa importante da construção de conhecimento.

No brainstorm, opiniões ditas como loucas ou mirabolantes são bem-vindas. Elas agem como links, estabelecendo novas conexões, ideias, ações e  pensamentos inovadores”, finaliza.

Veja mais sobre metodologias ativas de aprendizagem:
Estudo de caso: 8 perguntas para utilizar essa metodologia de aprendizagem nas aulas
7 perguntas sobre a metodologia ativa de aprendizagem “World Café”
5 perguntas sobre aprendizagem entre pares
Guia explica 8 metodologias ativas para professores e coordenadores pedagógicos
7 livros sobre metodologias ativas de aprendizagem

Crédito da imagem: Feodora Chiosea – iStock

Deixe um comentário

Please Login to comment

Talvez Você Também Goste

Metodologia ativa ‘brainstorm’ na alfabetização aproveita curiosidade e vivência das crianças

Escrita e leitura são estimuladas a partir de perguntas ou criação de listas temáticas

Metodologia da sala de aula invertida fica prejudicada pela falta de internet

Em pesquisa sobre ensino híbrido, professor de ciências identificou preferência por rotação em estações

Após sentirem as dificuldades, recém-formados em matemática desistem da docência

Relatos incluem falta de perspectiva financeira, profissional e experiências negativas no estágio obrigatório

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.