O World Café é uma metodologia ativa de aprendizagem idealizada por Juanita Brown e David Isaacs, que pesquisavam procedimentos organizacionais e diálogo. Ela consiste em pequenos grupos de pessoas, dispostos em mesas redondas, e na rotação dos participantes por elas em cada rodada.

“Às vezes, as pessoas estão em uma reunião grande, na qual há protocolos sobre como se comportar e agir, e não chegam a uma conclusão sobre um determinado problema. Em contrapartida, é em uma conversa informal no café que aquela situação é resolvida. A ideia era trazer esse ambiente para a aprendizagem, como uma metodologia”, explica a bióloga e professora da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), Michelle Sampaio.

“A proposta é que os participantes estejam juntos em um diálogo diferenciado”, explica ela, que é uma das pesquisadoras de World Café no Brasil.

Como o World Café foi descoberto?

Michelle Sampaio: O World Café foi descoberto por coincidência. Estavam em um evento e choveu, o que obrigou todos os participantes a irem para uma sala pequena. Eles foram divididos em pequenos grupos de conversa. Uma pessoa ouviu o que o pessoal do lado estava comentando e disse que queria saber mais sobre o eles falavam. Houve, então, o intercâmbio de pessoas pelas mesas e os organizadores perceberam que algo extraordinário havia acontecido.

Como o World Café funciona?

Sampaio: O ideal é o mínimo de doze pessoas, divididas em grupos de quatro. Não há número máximo de participantes: houve World Café com até duas mil pessoas. São no mínimo três rodadas de 20 minutos. É realizada, por vez, uma pergunta que se conecta com o propósito da atividade. Pode ser também uma única pergunta em todas as rodadas. Após cada uma delas, os participantes (chamados de viajantes) mudam de mesa. O ideal é que não se sentem com as mesmas pessoas. Uma pessoa pode permanecer (ou não) na mesa para contar o que já foi discutido aos viajantes que chegam, mas não é obrigatório. Nesse modelo, a pessoa que permanece é chamada de anfitrião. Além disso, papéis são deixados para as pessoas desenharem (chamadas de toalhas de mesa). Mas não é indicado usá-los para escrever atas, por exemplo, mas para fazer desenhos criativos e lúdicos. Na última rodada, o que foi discutido é sintetizado por todos e os desenhos podem ser analisados.

Quais são as orientações para a atividade?

Sampaio: A primeira é ter foco na proposta da atividade, que é diferente do objetivo. A proposta é a direção, o caminho a ser seguido. Podemos ir mais pela direita ou esquerda, mas chegaremos no ponto desejado. A proposta é o roteador. A segunda é que cada participante deve contribuir com o seu conhecimento. Ou seja, evitam-se citações como “fulano disse isso”. A terceira é falar com intenção e não ser prolixo. A quarta é escutar o outro com curiosidade. Às vezes, escutamos já pensando na réplica, ou na tréplica. O World Café prega o oposto disso. O que posso aprender dentro dessa perspectiva que não pensei antes?

Quais são suas contribuições para a aprendizagem?

Sampaio: Por meio do World Café, são realizadas conexões e contribuições sobre o assunto discutido. Falamos que há uma polinização de ideias, que são filtradas em cada rodada. Se há divergências, essas são postas à mesa e iluminadas.

Entre seus benefícios, está mostrar a diversidade de pensamentos. Parte-se do princípio que ter opiniões diferentes não coloca as pessoas em campos opostos. É um convite para uma conversa entre diferentes, para elucidar essas diferenças.

Como metodologia ativa, mostra que é possível aprender com os colegas, além dos professores. Por meio do diálogo, surgem ideias e propostas. Há uma inteligência coletiva, e o aprendiz não precisa aprender sozinho. É possível ser sábio junto.

Como deve ser a pergunta norteadora?

Sampaio: A pergunta é um poderoso iniciador de conversa. Deve estar focada muito mais no “como” do que no “o quê”. Os participantes expõem como a sua experiencia se conecta com a pergunta, a partir de seus pontos de vista

O World café é usado somente em disciplinas de humanas?

Sampaio: Não, ele é indicado para todas as áreas, e tanto para disciplinas conteudistas quanto abstratas.

Quais as orientações para os professores?

Sampaio: Tentar vivenciar a atividade na prática, participando de um World Café antes de aplicar. Encontrar informações tanto nas comunidades nacionais quanto internacionais dessa metodologia.  Formular perguntas que se conectam com o propósito da atividade e incentivar todos a se escutarem. A não-escuta é problema-chave.

Veja mais:
5 perguntas sobre aprendizagem entre pares
Aprendizagem cooperativa ensina comunicação, gestão de conflitos e valorização da diversidade

Crédito da imagem: monkeybusinessimages – iStock

Atualizada em 25/02/2021, às 16h57

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

5 jogos para ensinar ortografia de forma lúdica

Atividades fazem alunos refletirem sobre principais erros na escrita de palavras

Como trabalhar habilidades socioemocionais usando metodologias ativas?

Situações de aprendizagem permitem que alunos interajam e manejem emoções na prática

7 exercícios para ensinar judô na educação física escolar

Atividades de desequilíbrio e jogo cooperativo ensinam princípios do esporte

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.