Leonardo Valle

A América Latina e Caribe foi considerada a região do mundo mais perigosa para a imprensa em 2019, de acordo com a base de dados do Observatório de Jornalistas Assassinados. O levantamento é realizado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

22 jornalistas foram assassinados nessa localidade, sendo dois deles no Brasil. A região é seguida no ranking pela Ásia-Pacífico, com 15 assassinatos de profissionais da imprensa no ano passado, e pelos Estados árabes, com 10 mortes.

Segundo os dados da entidade, cobrir assuntos locais, como política, corrupção e crime, é mais perigoso para jornalistas do que o trabalho em zonas de guerra. No ano passado, quase dois terços dos casos de assassinato ocorreram em países que não vivenciavam conflitos armados, e a maioria envolveu repórteres realizando cobertura local.

Impunidade

Na última década, 894 jornalistas foram assassinados, uma média de quase 90 por ano. Em 2019, esses crimes caíram quase pela metade em comparação com 2018: de 99 para 56. Contudo, relatório publicado pela agência em novembro de 2019 apontou que apenas 10% dos ataques são processados. Além disso, menos de um em cada oito casos registrados pela Unesco desde 2006 foi resolvido.

Além do risco de assassinato, os jornalistas sofrem cada vez mais ataques verbais e físicos relacionados ao seu trabalho. Nos últimos anos, houve um aumento acentuado de prisões, sequestros e violência física, em meio a uma retórica generalizada e hostil à mídia e aos jornalistas.

As profissionais mulheres são ainda alvo particular, sendo frequentemente vítimas de assédio online e ameaças de violência baseada em gênero.

Para a Unesco, ataques a jornalistas são uma tentativa de silenciar vozes críticas e restringir o acesso do público à informação.

Com ONU

Veja mais:
Garantida em Constituição, liberdade de imprensa é essencial para a democracia
Brasil é o país das Américas com menor liberdade de imprensa
Brasil registra maior queda em liberdade de expressão entre nações
Negação de fatos históricos e científicos é fenômeno global que pode afetar democracias

Crédito da imagem: wellphoto – iStock

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Notícias

Mapa da Violência de Gênero disponibiliza informações sobre agressões a mulheres e LGBTQ+

Plataforma permite cruzamento online de dados e consulta de leis estaduais e nacionais

há 2 anos
Notícias

Violência no campo cresceu 36% no Brasil entre 2017 e 2018, aponta relatório

Levantamento da Comissão Pastoral da Terra mostra que conflitos afetaram quase 1 milhão de pessoas

há 3 anos
Notícias

Relatório internacional denuncia aumento de mortes violentas no Brasil

Assassinato cometidos por policiais em 2017 cresceram 20% em relação a 2016, segundo o documento

há 3 anos
Notícias

Cartilha orienta sobre violência contra a mulher no trabalho

Publicação do Ministério Público do Trabalho explica assédio moral, sexual e outros crimes

há 3 anos

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.