Leonardo Valle

A Human Rights Watch lançou hoje o Relatório Mundial 2019. Com 674 páginas, o documento analisa as práticas de direitos humanos em mais de 100 países. Em relação ao Brasil, o país bateu o recorde de mortes violentas em 2017, com 63.880 casos, e vivencia um aumento da letalidade policial.

O número de mortes cometidas por policiais – incluindo as realizadas por agentes de folga – alcançou 5.144 durante 2017, aproximadamente 20 % a mais que em 2016.

Enquanto algumas mortes cometidas pela polícia são justificáveis, pesquisas da Human Rights Watch mostram que muitas outras são execuções extrajudiciais. “Essa situação coloca as comunidades contra a polícia e as tornam menos propensas a denunciar crimes e ajudar nas investigações”, explica.

A entidade denuncia que crimes e execuções extrajudiciais de civis cometidos por policiais ficam impunes. Uma lei de 2017 transferiu a responsabilidade de investigação desses processos da justiça civil comum para a militar.

“Menos de um mês após a aprovação da lei, oito civis foram mortos durante uma operação conjunta realizada pela polícia civil e pelo Exército na área metropolitana do Rio de Janeiro. Até o momento do fechamento do relatório, nem os investigadores das Forças Armadas nem o Ministério Público Militar entrevistaram testemunhas civis”, alerta.

Oposição ao autoritarismo

Já em relação ao panorama mundial, o relatório aponta como grande notícia do último ano a oposição a tendências autoritárias de governos populistas. Houve esforços para resistir a ataques à democracia na Europa; prevenir massacres na Síria; trazer justiça a perpetradores da limpeza étnica contra muçulmanos rohingya, em Myanmar; impedir o bombardeamento e bloqueio liderado pelos sauditas contra civis iemenitas; defender a duradoura proibição de armas químicas; convencer o presidente da República Democrática do Congo, Joseph Kabila, a aceitar limites constitucionais aos mandatos; e demandar uma investigação completa do assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi.

Veja mais:
Revogação do Estatuto do Desarmamento aumentaria mortes por motivos banais, alertam especialistas
Intervenção militar no Rio deve trazer mais danos do que soluções, apontam pesquisadores

Crédito da imagem: reprodução Relatório Mundial 2019

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Notícias

Site reúne relatos de agressões motivadas pelas eleições

Além da plataforma, levantamento da Agência Pública contabilizou 70 ataques em 11 dias

há 3 anos
Notícias

Campanha visa informar eleitor sobre os desafios para combater a violência no Brasil

“Objetivo é que as pessoas entendam que segurança pública começa com prevenção”, lembra especialista

há 3 anos
Notícias

Guia reúne argumentos e pesquisas contra a flexibilização da posse de armas no Brasil

Anistia Internacional defende que medida não melhora segurança pública no país

há 2 anos
Notícias

Região da América Latina e Caribe foi a mais perigosa para a imprensa em 2019, segundo a Unesco

De acordo com a entidade, cobrir assuntos locais é mais perigoso que zonas de guerra

há 2 anos

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.