Leonardo Valle

O consumo da água aumenta aproximadamente 1% por ano desde a década de 1980. Isso significa que, até 2050, haverá um crescimento no uso desse recurso de até 30% em relação ao nível atual. Esses e outros dados estão presentes no Relatório Mundial das Nações Unidas sobre Desenvolvimento dos Recursos Hídricos 2019: Não deixar ninguém para trás. O documento ainda aponta que mais dois bilhões de pessoas vivem em países com um alto estresse hídrico, e cerca de quatro bilhões experimentam escassez severa pelo menos um mês do ano.

“Os níveis de estresse continuarão a aumentar, à medida que a demanda por água aumenta e os efeitos da mudança climática se intensificam”, alerta o texto.

Desde 2010, a Assembleia Geral das Nações Unidas reconhece “o direito à água potável segura e limpa e ao saneamento como um direito humano”. Em 2015, foi a vez do saneamento básico ser reconhecido de forma separada – forma encontrada pela entidade para chamar a atenção e abordar desafios específicos ao tema.

De acordo com a ONU, isso obriga os Estados a agirem para fornecer acesso universal à água e ao saneamento para todos, sem discriminação, ao mesmo tempo em que devem dar prioridade às pessoas em situação de vulnerabilidade social. O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 6 da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável também visa garantir a gestão sustentável e o acesso a esses direitos para todos.

Desigualdades acentuadas

Os dados, contudo, mostram que o direito à água potável e ao saneamento básico ainda são desafios em todas as partes do mundo. Em 2015, três entre 10 pessoas (2,1 bilhões) não tinham acesso à água potável segura, e 4,5 bilhões de pessoas, ou seis entre 10, não tinham instalações sanitárias geridas de forma segura.

De acordo com o relatório, se a pressão sobre os recursos hídricos mundiais continuar a ocorrer nas taxas atuais, estima-se que 45% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial e 40% da produção mundial de grãos estarão em risco até 2050. Além disso, as populações em situação de vulnerabilidade social serão mais afetadas pelo problema, aumentando as desigualdades sociais.

Veja mais:
Glossário explica termos sobre preservação da água e saneamento
ONU aponta soluções naturais como caminho para aperfeiçoar gestão da água
Em vídeo, cientistas debatem ameaças aos oceanos

Crédito da imagem: releon8211 – iStock

Deixe um comentário

Talvez Você Também Goste

Notícias

Vazamento de óleo nas praias do Nordeste: cartilha explica monitoramento e formas de atuação

OAB-PE lista locais atingidos e orienta sobre resgate de animais e trabalho voluntário de limpeza

há 12 meses
Notícias

Apenas 65% da população da América Latina dispõem de sistema de esgoto, aponta relatório

Edição 2018 do documento da Cepal também revela desigualdades de gênero

há 2 anos
Notícias

Mulheres negras são mais afetadas pela falta de saneamento básico no Brasil, diz estudo

Segundo pesquisa, igualdade de gênero também está ligada à universalização do serviço

há 2 anos

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.