Assim como acontece na inclusão de diferentes pessoas com deficiência (PCD), o professor não deve partir da deficiência visual do aluno na hora de planejar a aula de educação física. “Independentemente de ser cego, esse estudante tem outras características, formação social, pessoal e histórica. É preciso conhecê-las para pensar as atividades. Ele pode, por exemplo, não gostar de futebol”, diz o pedagogo e pesquisador em cegueira e mobilidade, Ruy Antônio de Miranda.

“É necessário descobrir suas aptidões, pois terá muita coisa que ele poderá fazer. Sem a interação, o docente nunca saberá”, complementa o coordenador de formação do Instituto Rodrigo Mendes, Luiz Conceição.

Conceição lembra que, no passado, era comum o aluno cego ficar na arquibancada, na biblioteca, ou ser deixado de lado, com uma outra criança “escolhida” para treinar com ele e sua bola com guizo, por exemplo.

“Outro erro comum é adaptar a atividade apenas para o estudante com deficiência, mas os demais não se identificarem com ela”, alerta Miranda.

Assim, o segundo passo é descobrir com a classe o que precisa ser desenvolvido por todos e pensar em atividades que contemplem o grupo.

“Ter um objetivo claro com o procedimento proposto é um dos pontos importantes. Isso evita que os demais alunos saiam com a impressão de que a criança ou o jovem cego é incapaz ou que ele é um herói”, complementa Conceição.

“O ideal é que, a partir de uma colaboração coletiva, envolvendo toda a turma, cada aluno, com deficiência ou sem, descubra suas potencialidades e vivencie novas possibilidades”, complementa.

Oportunidades iguais

Conceição lembra que é a partir das potencialidades e necessidades do aluno cego “real” que as adaptações devem ser pensadas.

“As propostas devem ser feitas de acordo com cada caso e durante a aula. Lembrando que não é a criança com deficiência que não aprende, mas nós, educadores, que não encontramos o recurso ideal para possibilitar isso”, destaca.

Miranda, contudo, compartilha algumas das suas experiências inclusivas para inspirar outros professores. “No futebol, por exemplo, a bola com guizo [que faz barulho] e bater constantemente na trave ajuda o aluno cego a se localizar”, ensina.

“Assim como os estudantes sempre chamarem o nome daquele colega para quem irá se passar a bola”, orienta.

Conceição acompanhou um caso de uma aula com baixa visão que, no vôlei, foi incluída pelo uso de uma bola de plástico maior, colorida e com arroz em seu interior, para simular o guizo. “Os estudantes do mesmo time contavam os passes de bola antes de sacá-la contra o adversário”, revela.

Miranda lembra que todas as regras de jogo devem ser pactuadas com a turma. Para completar, como o aluno cego depende muito da audição, vale sensibilizá-los para a importância do silêncio e das pessoas falarem um de cada vez.

“A verbalização por parte do professor é importante, como fazer pedidos claros, narrar o que está acontecendo, mostrar na voz e no corpo do estudante quais os movimentos que serão trabalhados naquela atividade”, afirma Miranda.

Novos estímulos

Para crianças cegas da educação infantil ou primeiros anos do fundamental que recém-chegaram à escola, Miranda sugere o envolvimento do professor de educação física em uma atividade para ajudá-las a reconhecer o espaço. Para isso, recomenda um “tour tátil” usando barbante para definir o percurso, assim como para demarcar portas e barreiras físicas.

“Isso ajuda a trabalhar orientação e mobilidade. O barbante estimulará sua percepção pelo uso das pontas dos dedos, estimulando esse aluno que, mais tarde, aprenderá braile”, sugere.

O especialista também recomenda propor atividades que trabalhem orientação e mobilidade pré-uso da bengala. “Exemplos são brincadeiras e dinâmicas que envolvem empurrar um carrinho ou uma bola com um cabo de vassoura, adicionando diferentes níveis de dificuldade”, finaliza.

*Essa reportagem faz parte do Especial Educação Física Inclusiva, conheça também as outras publicações da série:

Educação física inclusiva: 5 links para trabalhar com alunos de diferentes deficiências
Recursos visuais e linguagem corporal são importantes para aluno surdo na educação física
Na educação física, cadeira de rodas é vista como extensão do corpo do aluno com deficiência
Educação física deve considerar menor força e equilíbrio do aluno com síndrome de Down
Atividades cooperativas, sensoriais e artísticas podem ajudar a integrar aluno autista na educação física

Atualizada em 18/9/2020 às 11h47.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Dia dos professores: docentes da educação básica inspiram alunos a seguirem na profissão

Educadores relembram mestres que motivaram escolha por lecionar na rede pública

Geometria ajuda a desmentir terraplanismo nos anos finais do ensino fundamental

Em projeto internacional, escolas de todo o mundo se unem para calcular diâmetro da Terra

Tirinhas do Recruta Zero ilustram Guerra da Coreia e Guerra Fria nas aulas de história

Material também pode ser usado em geografia, sociologia e língua portuguesa

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.