Adolescentes e jovens negros morrem mais de forma violenta do que os brancos. É o mostram dados nacionais e regionais, como a Pesquisa Homicídios na Infância e Adolescência no Brasil (2009 a 2019), realizada pela ONG Visão Mundial. O estudo aponta que 76% das vítimas de homicídios nessa faixa etária no Brasil são negras. Foi para refletir sobre o papel da educação na transformação desta realidade que o pesquisador Juliano Gonçalves Pereira elaborou a tese de doutorado “Para não ter que dizer adeus: a educação como suporte para redução de homicídios de adolescentes negras e negros, a experiência de Belo Horizonte/MG” (2020).

Em entrevista, ele detalha como a escola pode se envolver em alternativas locais de proteção, além da necessidade da Educação estar presente nas discussões sobre segurança pública.

Leia também: Como lidar com casos de racismo entre alunos?

Instituto Claro: A educação pode ser um suporte para a redução de homicídios contra jovens e adolescentes negros?

Juliano Gonçalves Pereira: Defendo que sim. Primeiro, pela minha experiência pessoal. Sou homem negro e a educação foi uma oportunidade para me proteger do que me vulnerabilizava no território, ainda que relações de violência e questões sociais, como drogas, também estivessem presentes. A partir da pesquisa, a escola se revelou como suporte para proteger os estudantes da violência letal, mesmo que nela também existissem conflitos.

Como é a vivência de alunos negros em escolas das periferias e outras áreas vulneráveis do Brasil?

Pereira: A gente sabe que escolas de territórios vulneráveis entregam menos qualidade de educação. Ainda assim, são um lugar “neutro” em certa medida, pois o estudante pode aprender coisas que não estão presentes na sua comunidade. O entorno oferece oportunidades não-formais de vida, não raro relacionadas ao tráfico de drogas. Estar na escola para o jovem negro ainda não é fácil. O currículo é eurocêntrico e branco, e há o desafio de aprender algo que faça sentido para ele. Quando isso é superado, a escola se torna um lugar de trocas. O aluno aprende coisas novas e potencializa o que já sabia, retornando ao seu território para transformá-lo.

Como esse assunto é tratado hoje dentro da escola?

Pereira: No passado, havia uma lógica de que a violência era permitida apenas do portão da escola para fora. Como no jargão entre estudantes: “te pego na saída”. À medida que ela está nesse ambiente, são necessárias ferramentas para lidar com os conflitos. De certa forma, a lei 10.639, sobre a obrigatoriedade do ensino de história e cultura afro-brasileira na escola, obrigou a repensar a questão dos negros na sociedade. A violência é a principal consequência para o genocídio da juventude negra e são necessários aparatos que os protejam, incluindo no sistema educacional.

Confira: Alunos da rede pública usam teatro para debater relações raciais

professor Juliano Gonçalves Pereira fala sobre reduzir homicídio de jovens negros
O pesquisador Juliano Gonçalves Pereira estudou o papel da educação para reduzir homicídio de jovens negros (crédito: acervo pessoal)

Como essa violência que gera morte de alunos negros poderia ou deveria ser tratada na escola?

Pereira: Primeiro, há a necessidade de ações intersectoriais. Políticas de segurança pública devem envolver a escola nas discussões. Essa também deve ficar atenta ao seu território e aos movimentos sociais. Não há melhor ator social para debater a construção de ferramentas de proteção do que os próprios moradores do entorno. Às vezes, a escola se preocupa em ouvir intelectuais e não as lideranças comunitárias, religiosas e culturais. Ou seja, é necessária uma escuta qualificada. Por exemplo, um grafiteiro da região que tem compressão sobre o tema pode conseguir elaborar imagens que ajudem todos a refletirem. Trata-se de uma ação inovadora que transforma o território. As ações pensadas em conjunto ajudam a fazer sentido para aquela comunidade. Há diferenças entre a violência de uma escola em São Paulo e no Amapá.

Quais as orientações para professores, coordenação pedagógica e diretores agirem?

Pereira: Depois da militarização, com diretores chamando a polícia para resolver conflitos na escola, vejo agora uma intervenção do judiciário nesses ambientes. Esse não deve ser o caminho, mas é preciso pensar em ações pedagógicas contra violências como racismo, homofobia, xenofobia, gordofobia, etc. Quando um conflito escolar termina com uma medida judicial, você pode categorizar e transformar aquele estudante que cometeu um erro em potencial criminoso ao invés de educá-lo.

Quais os limites dos professores nessa questão?

Pereira: O desafio é o suporte e a infraestrutura aos docentes para que consigam fazer esses enfrentamentos por meio de projetos e práticas inovadoras. Por exemplo, você pode discutir essa violência letal contra jovens negros por meio de gamificação ou pelo debate sobre masculinidades tóxicas, isto é, como a construção do masculino impõe a naturalização das violências. Exige tempo e uma formação continuada nessas questões.

Veja mais:

História negra: documentário ‘Emicida: AmarElo – É tudo para Ontem’ pode ser usado em aula

Lugar de fala na escola: professores brancos podem tratar de racismo estrutural?

7 planos de aula para debater o racismo e conhecer pensadores negros

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

5 dinâmicas presenciais e virtuais para encerramento do ano letivo

Educadoras indicam atividades para ressignificar experiências positivas e negativas do período

Acolhimento da equipe escolar é essencial para prevenir evasão de alunas grávidas

Empatia, acompanhamento domiciliar e conhecer direitos reprodutivos ajudam a apoiar estudantes

Duolingo estimula vocabulário nas aulas de inglês, mas é deficiente em oralidade

Professores indicam formas de usar ferramenta para complementar currículo e mediar aprendizagem

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.