O Ministério da Educação (MEC) divulga, desde janeiro de 2021, um chamamento para discutir a Matriz Nacional Comum de Competências do Diretor Escolar. A iniciativa resgata dois pontos polêmicos de décadas anteriores: a certificação para diretor e a retirada da formação em gestão das Diretrizes Curriculares Nacionais da Pedagogia (DCNS).

A educação para gestão na formação inicial do professor foi regulada pela Resolução (Res.) do Conselho Nacional de Educação (CNE) 02.2015, e revogada posteriormente na Res. 02.2019. “A formação para a gestão integrava currículos de pedagogia e foi expandida às licenciaturas das áreas especificas. Discute-se, agora, a subtração em ambas”, explica a coordenadora da Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação (Anfope) Helena Lopes de Freitas.

Assim, tais conhecimentos ficariam restritos à pós-graduação. “Provavelmente, de caráter mais administrativo do que educativo”, diz Freitas. “O documento para discussão da matriz resgata políticas neoliberais da década de 90, que traz a lógica empresarial, de caráter gerencialista, para o interior da escola. Banco Mundial e OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico] são citados como referência de forma direta, enquanto décadas de pesquisas das universidades brasileiras sobre o assunto foram ignoradas”, ressalta.

Leia também: Base Nacional Comum da Formação de Professores prevê competências inspiradas na BNCC da educação básica

Formação precarizada

Freitas relaciona a iniciativa da matriz às reformas iniciadas com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC). “O CNE afirma que esta é apenas 40% do currículo, porém, ela é cobrada em avaliações externas, fazendo a escola direcionar todo o processo de ensino-aprendizagem a ela”, contrapõe. Para ela, nessa logica, a formação inicial teria como objetivo exclusivo tornar o professor competente para implantar a BNCC, perdendo olhar crítico e conhecimento amplo sobre a educação brasileira e funcionamento da escola.

“Fica mais fácil responsabilizar diretor e professores por resultados negativos das escolas em avaliações externas. Quando, na verdade, eles refletem a ausência de políticas públicas de investimento, infraestrutura, valorização da profissão e para suprir desigualdades sociais dos alunos. Isso demanda cobrar o poder público”, reitera.
Outra questão polêmica seria a criação de percursos formativos diferenciados, reservados apenas àqueles estudantes em condições de realizar estudos em nível de pós-graduação. “Formação continuada exige tempo e recursos, condições que não estão dadas a todos os professores da educação básica”, observa Freitas.

Certificado de diretor

Presente na discussão da Matriz, a avaliação de desempenho para certificar o diretor também recebe críticas. “Perdemos essa discussão no Plano Nacional de Educação (PNE, 2014). Seu texto prevê uma prova nacional especifica e associa a gestão democrática a critérios técnicos de mérito e desempenho”, contextualiza a especialista.

Confira: BNCC do ensino médio negligencia pensamento crítico do aluno, apontam educadores

Autor do livro “Diretor escolar: educador ou gerente”? , o professor da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP) Vitor Henrique Paro é contra a medida. “Educação não é apenas conhecimento, mas valores, crenças, sensibilidade e empatia, que não são passíveis de mediação”, justifica.

Ao defender um diretor com perfil educador, Paro lembra que a escola não é uma empresa capitalista. “A lógica é outra. Uma pessoa não vai ao trabalho porque gosta, mas pela remuneração. Assim, um gerente tem a função de controlar e gerir um trabalho forçado para que este não seja tão penoso”, reflete. “Mas na escola, sem liberdade, a educação não ocorre. O professor tem que gostar do que está ensinando para a criança confiar nele e querer aprender. Exige cumplicidade e cooperação, não controle”, complementa.

Para Freitas, o atual contexto de reformas promove um terreno fértil para um diretor com características de gerente empresarial. “Com a desvalorização da profissão de professor – hoje temos 40% dos docentes em quadros temporários que se renovam a cada dois anos – ao diretor caberá a função de maior controle do trabalho docente”, lamenta.

Ao final, menos conhecimento sobre as formas de gestão democrática na formação inicial e uma escola pressionada por avaliações externas e bonificações impactaria, especialmente, a comunidade escolar. Processos de certificação dispensam formação especifica na área, deixando a função da gestão aberta a qualquer outro profissional. “Na lógica empresarial, a prestação de contas do diretor seria para quem está acima dele na hierarquia, não para a comunidade escolar: pais, professores, funcionários e a comunidade que compõe cada escola”, conclui Freitas.

Veja mais:

8 livros para saber mais sobre a formação e o trabalho docente

Residência Pedagógica: entidades atentam para uso de alunos como mão de obra barata

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

9 dicas para melhorar a gestão do tempo do professor no home office

Excesso de atividades e dúvidas de alunos fora do expediente são problemas comuns

Aula remota de educação física: 7 dicas para interagir melhor com os alunos

Criador de blog sobre o tema compartilha experiências bem-sucedidas durante isolamento social

“O homem que calculava”, de Malba Tahan, ensina matemática de forma lúdica

“Mesmo problema pode ser abordado com diferentes profundidades”, explica Fernando Barnabé

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.