A comunicação não violenta (CNV) é uma prática desenvolvida pelo psicólogo estadunidense Marshall Bertram Rosenberg para que as pessoas se relacionem de forma clara e satisfatória. De acordo com psicóloga Lúcia Nabão, a técnica também pode ser utilizada pelos professores na relação com os alunos.

“A CNV abandona o universo do certo e errado, bom e ruim, concordo e discordo, para praticar a empatia e tentar entender o universo de cada pessoa”, resume.

Entre seus princípios está a premissa que todos os seres humanos possuem as mesmas necessidades, como ser amado, respeitado, ter segurança, proteção e apoio. “Entretanto, as pessoas não conseguem expressar isso com clareza, manifestando-se de uma forma violenta”, explica. “Mudar a linguagem, contudo, pode reverter a situação e promover uma conexão profunda”, destaca.

Segundo a CNV, o professor investigaria internamente qual a sua necessidade e a do estudante antes de começar um diálogo. “Entendo o que estou precisando atender, suprir. Isso exige uma escuta para compreensão, que é diferente da escuta para dar uma resposta”, ensina. “Investigo também os sentimentos daquele aluno, o momento de vida que está passando e suas carências antes de agir”, pondera.

Sem julgamento 

Outro princípio da CNV é nunca dar um diagnóstico sobre um estudante – você é isso ou aquilo – ou julgar o outro. Da mesma forma, não se deve aceitar como verdade o diagnóstico, xingamento, julgamento ou rótulo dado pelo outro. “Ou seja, não levar para o pessoal”, sintetiza a psicóloga.

“Por exemplo, o aluno diz que professor é idiota. O profissional não deve se conectar com isso, mas pensar ‘quais necessidades dele não estão sendo atendidas para ele se expressar assim?’. Ao fazer isso, o educador sai da lógica do ataque e contra-ataque e desconstrói uma relação que poderia ser violenta”, recomenda.

“Em outras palavras, a violência é barrada quando o adulto vai além do rótulo, do xingamento, e escuta o que está por trás disso. Às vezes, pode ser um pedido de ajuda”, sugere. “Isso, claro, não quer dizer que o docente concorde com a atitude do estudante”, lembra.

“Se o aluno diz algo que pode ser considerado violento e o professor responde, onde isso vai parar? Muitas guerras nascem assim”, reflete.

Mudança de cultura 

Trabalhar com a CNV também exige entender que todos estão na mesma ordem de importância: professor, diretor, funcionários e corpo discente. A hierarquia deixa de ser vertical. “É preciso disponibilidade para ouvir a todos e desconstruir o lugar de poder que você tem sobre o estudante. Abandonar a cultura que diz que o aluno só está lá para obedecer”, orienta.

Ainda é indicado inverter uma lógica de que o adulto sabe o que é melhor para todos. “Se age assim, ele deixa de ouvir a criança ou o jovem. Para Marshall, isso não produzia bons relacionamentos”, justifica Nabão. “Quando eu parto do princípio que eu não sei qual a resposta para resolver uma situação que se coloca, tenho curiosidade e vontade de compreender o outro. Estou aberto”, ilustra.

Também não vale usar a CNV para manipular o aluno para que ele cumpra o que o professor deseja. “Por exemplo, falar de um jeito delicado para, no fundo, querer que realize a minha vontade”, alerta.

Marshall ainda desencorajava a lógica de punição e recompensa. “É necessário abandonar a ideia de que isso educa. Para relativizar essa discussão, basta olhar para o encarceramento em massa: o indivíduo está sendo punido por crimes, mas ele não sai melhor do que entrou. Outro problema é que a punição pode vir com uma carga de humilhação”, explica.

Segundo a psicóloga, isso não significa que a CNV é permissiva em relação às regras. “A partir da escuta, eu crio acordo, combinados, que não são impostos, mas construídos em conjunto e que atenderão às necessidades de todos. Isso faz com que os alunos queiram colaborar”, diferencia.

“A CNV parte do princípio que todos os seres gostam de contribuir com o outro. Afinal,  a sobrevivência do ser humano no planeta se deu por agrupamento”, conta. “Mas, quando muitas necessidades deixam de ser atendidas e não há respeito, autonomia, poder de escolha e justiça, o estudante não vai desejar contribuir”, explica.

A psicóloga, contudo, reconhece que o trabalho com a CNV é mais árduo para adultos. “Exige descontruir hábitos de linguagem e de julgamento, que já estão enraizados, em prol da compreensão empática”, informa. “Porém, com o exercício diário, é possível garantir um processo educativo em que o ser humano é olhado por inteiro, e onde se ensina pelo exemplo”, finaliza.

Veja mais:
O que é Comunicação Não Violenta?
Mediação de conflitos é caminho para implantar cultura do diálogo na escola
Aplicar cultura de paz na escola exige práticas combinadas entre diversas disciplinas

Crédito da imagem: petrborn – iStock

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Conheça 9 dinâmicas para ensinar matemática a aluno com TDAH

Atividades lúdicas aliadas a conteúdos curriculares ajudam a trabalhar atenção e memória

Dissecação de flores ajuda a abordar angiospermas nas aulas de biologia

Atividade permite ao aluno identificar cada parte da planta e sua função na reprodução

Confira 11 orientações para ensinar educação musical a alunos surdos

Professores podem desenvolver atividades que explorem a vibração do som com toda a turma

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.