Analisar objetos materiais, ruínas de habitações e representações simbólicas – como a arte rupestre – é papel do arqueólogo. “A partir de vestígios, ele busca entender o modo de vida das populações, suas dinâmicas sociais, sua cultura, economia e política”, resume o doutor em arqueologia da Universidade de São Paulo (USP), Guilherme Mongeló. “O seu diferencial é que ele usa primordialmente a cultura material para construir narrativas”, acrescenta.

Para a pesquisadora responsável pelo Departamento de Arqueologia do Museu Paranaense, Claudia Inês Parellada, aproximar os alunos dessa disciplina traz ganhos para a sua formação, principalmente porque permite que eles entendam as diferentes formas como a história é registrada. “O horizonte do estudante se amplia quando ele percebe que o passado pode estar representado de diferentes formas, não apenas por fontes documentais escritas”, afirma. “É comum as fontes documentais dizerem uma coisa e, quando o arqueólogo vai a campo, percebe que as informações obtidas ali são diferentes”, conta.

Mongeló aponta que a arqueologia ajuda a trazer à tona a história de populações que não produziram ou produziram poucos documentos.

“Ela revela o lado oculto dos esquecidos. Contribui mostrando uma fase de longa duração, de mais de 20 mil anos de ocupação indígena nas Américas, de toda a época dos negros escravizados, dos camponeses analfabetos, das mulheres que não tiveram acesso à educação, entre outros”, ilustra. “Nesses casos, a história e a arqueologia podem se complementar”, acrescenta.

“As contribuições das antigas populações sobre alimentação, comportamento, alfabeto, matemática, história da arte, religião e outros aspectos da nossa vida hoje são alguns dos ganhos proporcionados pela arqueologia. Ela ajuda a entender o presente”, destaca Parellada.

Decifrando pistas

 Além da pré-história e das civilizações antigas, essa disciplina pode estudar populações de qualquer tempo. O Brasil possui 26 mil sítios arqueológicos registrados no Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A maioria deles corresponde ao período pré-colonial e são antigas ocupações indígenas. “Pensamos a história do Brasil a partir das migrações dos europeus, da colonização, mas a história indígena do Brasil é mais antiga, e acredito que esse conteúdo pode ser bastante aproveitado pelos educadores”, recomenda Mongeló. “Diferentes sociedades se desenvolveram aqui nos últimos 20 mil anos, e que dizer que o Brasil é um território virgem e muito jovem é, na verdade, uma mentira”, pondera.

O papel de ‘detetive’ do arqueólogo, que analisa diferentes vestígios para compor uma narrativa, também ajuda a desenvolver o pensamento crítico do aluno.

Atividade sobre arqueologia com alunos de uma escola da rede municipal do Rio de Janeiro (RJ) (crédito: arquivo pessoal)

 

“Uma urna mortuária indígena, por exemplo, pode dizer muito sobre a tecnologia de uma determinada época, os ritos de passagem, os aspectos estéticos valorizados por aquela sociedade, entre outros”, pontua o doutor em história e professor da rede municipal do Rio de Janeiro (RJ), Washington Kuklinski Pereira. “Objetos com referência a peixes podem demonstrar a importância do mar para a economia daquela sociedade”, exemplifica.

Pereira sugere o uso de fotos e vídeos de escavações para abordar as civilizações antigas com os alunos do 6º ano do ensino fundamental. Já no 7º ano, a arqueologia pode ser aproximada ao falar dos povos africanos e da idade média. “No 8º e no 9º ano, pode-se falar das cidades demolidas e que foram reconstruídas, Canudos e as grandes guerras”, orienta.

Ele também indica montar, com os alunos, uma oficina de pintura rupestre e reproduzir um sítio arqueológico para simular uma atividade de escavação. Nela, os objetos são escavados, limpos, separados e analisados em conjunto.

Atividade sobre arqueologia com alunos de uma escola da rede municipal do Rio de Janeiro (RJ) (crédito: arquivo pessoal)

 

“Cada grupo prepara o local para o outro”, indica.  Para complementar o conhecimento do professor sobre o tema, Mongeló recomenda o Guia Temático para Professores, produzido pelo setor Educativo do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo (USP).

Além disso, pode-se usar, em aula, dois jogos eletrônicos sobre os Sambaquis (cultura pré-cabralina do litoral brasileiro) e sobre o mundo clássico europeu. Os jogos também possuem guias didáticos para professores.

Veja mais:

Como os objetos podem ensinar sobre contextos históricos?
Trabalhar com fontes históricas favorece formação do olhar crítico do aluno
História oral: método usa entrevistas para trabalhar comunicação, escuta e senso crítico

Deixe um comentário

Please Login to comment

Talvez Você Também Goste

Metodologia ativa ‘brainstorm’ na alfabetização aproveita curiosidade e vivência das crianças

Escrita e leitura são estimuladas a partir de perguntas ou criação de listas temáticas

Metodologia da sala de aula invertida fica prejudicada pela falta de internet

Em pesquisa sobre ensino híbrido, professor de ciências identificou preferência por rotação em estações

Após sentirem as dificuldades, recém-formados em matemática desistem da docência

Relatos incluem falta de perspectiva financeira, profissional e experiências negativas no estágio obrigatório

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.