Érico Veríssimo (1905-1975) é um dos principais escritores brasileiros do século 20, destacando-se por levar a história e a cultura gaúcha para além do Rio Grande do Sul. “Sua obra muito fala sobre a formação do Brasil a partir do Sul, assim como mitos e lendas que dialogam com a realidade”, descreve o doutorando em Geografia pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Luciano Martins da Rosa. Por esses motivos, a produção literária do autor também pode ser utilizada na disciplina de Geografia no ensino fundamental 2 e médio.

“Sua escrita é capaz de sistematizar e criar imaginários geográficos nos alunos”, justifica Rosa, que estudou a prosa de Érico Veríssimo e a educação geográfica durante o mestrado. Mesma opinião do mestre em Letras pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI), Gustavo Menegusso. Ele pesquisou as descrições das paisagens em romances de Veríssimo. “Seus livros revelam o Rio Grande do Sul das estâncias, coxilhas e das guerras dos Sete Povos das Missões. Os alunos poderão conhecer uma região, um povo e uma cultura por meio dessa literatura”.

Para a professora do Departamento de Geografia da Universidade Federal de Pelotas (UFP), Liz Cristiane Dias, combinar literatura de ficção e geografia escolar faz as aulas da disciplina irem além da linguagem cartográfica e da memorização. “A apropriação de conteúdos e conceitos geográficos por meio da literatura de qualidade e mediada pelo professor-pesquisador desperta senso crítico e raciocínio geográfico”, defende. “Para isso, podem ser explorados princípios como: conexão, analogia, localização e extensão dos fenômenos”, recomenda aos professores.

Natureza e território

Assim, a formação territorial do Brasil é um dos conteúdos da geografia escolar que podem ser trabalhados a partir dos livros de Veríssimo, em especial da trilogia “O Tempo e o Vento” (1949-1962). “A obra possibilita estudar processos migratórios, formação da população, ocupação do território e uso da terra e do solo”, ressalta Rosa. “Também promove a compreensão de que geografias humana e física são indissociáveis”, pontua.

Outra possibilidade é explorar os conceitos de paisagem, território e fronteira, partindo do Rio Grande do Sul. Veríssimo utiliza procedimentos textuais para ilustrá-los. E essa pode ser uma atividade proposta para o estudo de outras regiões geográficas do país ou do mundo. “Exercícios de escrita levam o estudante a argumentar em relação a conteúdos diversos dentro da construção do raciocínio geográfico”, acrescenta Rosa. Para completar, fatos históricos descritos nos livros do autor podem ser incorporados na sequência didática. “Pode-se discutir guerras históricas, suas motivações espaciais e fatores locacionais”, apresenta Rosa.

Da fantasia à realidade

Além de “O Tempo e o Vento”, Megusso indica o livro “Incidente em Antares” (1971) para o professor de Geografia. “Ele mistura o fantástico para falar da realidade sulista”, endossa. “A obra ainda trata de problemas sociais brasileiros comuns em pequenas e médias cidades”, complementa Rosa. Outra possibilidade é o primeiro romance do autor, Clarissa (1933). “Este último discute nas entrelinhas as dinâmicas e os fluxos entre o rural e o urbano da primeira metade do século 20”, orienta.

Veja mais:

Obra de Henfil ajuda a entender ditadura militar e geografia do Nordeste

Obras de José Saramago podem ser utilizadas no ensino fundamental e médio

Música torna ensino de Geografia mais atrativo

Professor cria canal para analisar filmes pelo viés da geografia

Deixe um comentário

Por favor, faça Login para comentar

Talvez Você Também Goste

Mapa mental ajuda aluno a fazer conexões e resumir conteúdo

Ferramenta utiliza palavras, imagens e símbolos também para ensinar e avaliar aprendizagem

Pensamento de Melanie Klein ajuda professor a lidar com agressividade e desinteresse de alunos

Psicanalista Alexandre Patrício explica conceitos da autora e suas aplicações na escola e na aprendizagem

Alunos da rede pública usam teatro para debater relações raciais

Projeto em escola carioca apresentou artistas negros e adaptou texto “Orfeu Negro”

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.