A transição da educação infantil para os primeiros anos do ensino fundamental pode ser brusca para os alunos. Pensando nisso, a doutora em educação e professora da Universidade Estadual de Londrina (UEL), Adriana Regina de Jesus, foi a campo ouvir o que os estudantes de 4 a 10 anos achavam da escola.

As pesquisas foram realizadas em um colégio estadual de Londrina (PR) e mostraram diferenças entre as duas etapas de ensino. Enquanto, na faixa etária de 4 a 6 anos, a escola era vista como um espaço de brincadeira, ludicidade e descobrimento, crianças de 6 a 10 anos a entendiam como um local sem nenhum encantamento.

“Levei um boneco de extraterrestre para os alunos relatarem suas impressões da escola para ele. Na educação infantil, elas falaram para o ET que o que mais gostavam era brincar, desenhar, divertir-se e ouvir histórias”, conta. “Elas percebiam a escola como um espaço que promove brincadeiras, um espaço de aprendizagem.”

Já as crianças do fundamental relataram que o espaço era muito diferente da etapa anterior. “Era chata, pois ficavam copiando atividade do quadro o tempo todo. Não brincavam mais, e não entendiam muito bem o conteúdo”, revela.

Dois pontos de diferença entre os depoimentos chamaram a atenção da pesquisadora. O primeiro foi a ausência da ludicidade. O segundo, a relação estabelecida entre professor e aluno no ensino fundamental.

“A escola nesse nível de ensino é percebida como um local onde se aprende a ler e escrever e a brincadeira não faz parte do cotidiano, pontua. “O brincar é uma das principais linguagens da infância e é indispensável para o desenvolvimento humano. Ele é carregado de significados que extrapolam nossa compreensão de adultos. Pelo brincar, a criança se sente livre para expressar seus sentimentos e analisar os fatos do cotidiano sob sua ótica infantil”, defende.

No segundo caso, os alunos foram unânimes em dizer que a professora ‘ficava brava’ e ‘gritava’ quando eles faziam perguntas ou não entendiam um determinado conteúdo. “Foi possível constatar que o diálogo não é muito presente”, analisa.

Para Jesus, muitos docentes desenvolvem ações que se distanciam da construção do pensamento crítico. “Ficou evidente a não mediação do professor no que se refere ao processo de ensino e aprendizagem, implicando em uma aula sem questionamento”, ressalta. “São ações voltadas à racionalidade técnica do pensamento e que se distanciam de um projeto de formação humana.” 

Pedagogia da escuta

Jesus ainda questionou os estudantes de 10 anos sobre o que eles mudariam. “Podia parar de copiar texto. A gente copia muito texto”, disse Gabriele. “Eu gosto de correr, brincar de futebol. A escola podia deixar a gente brincar mais”, afirmou Kauê. “A professora podia ensinar a gente, mas ela não tem tempo para ajudar”, completou Ala.

Para a pesquisadora, diversos fatores contribuem para que a aprendizagem ocorra nas condições relatadas pelos estudantes. “Falta uma política de valorização do professor, mas também a ressignificação do espaço escolar”, opina.

“Não podemos simplesmente transmitir conhecimento, se estes não estão relacionados com a prática social do estudante. Há a necessidade da escola romper com a instrumentalização do ensino que se materializa por meio de atividades de cópias e avaliações que não tem foco na aprendizagem formativa”, explica. “A escola pode ser um lugar da admiração e de prazer.”

Segundo a pesquisadora, ouvir as crianças e pensar a transição entre a educação infantil e o ensino fundamental de forma humanizada, sem esquecer o lúdico nas ações pedagógicas, são passos a serem seguidos. “Nosso desafio é ressignificar o cotidiano escolar, levando em consideração essas narrativas . Precisamos desenvolver a pedagogia da escuta”, sugere. “Os alunos conhecem a escola em sua inteireza e esse conhecimento pode ser fundamental na prática pedagógica”, finaliza.

Veja mais:
Christian Dunker e Cláudio Thebas falam sobre a importância da escuta no ambiente escolar
“O mundo lúdico deve estar bem valorizado na infância”, aponta Janine
Para dominar escrita, aluno precisa ver sentido no que escreve ou apenas copia da lousa
A contribuição da Educação Infantil de qualidade e seus impactos no início do Ensino Fundamental

Crédito da imagem: yacobchuk – iStock

1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
Adriana Regina Jesus
Adriana Regina Jesus
1 ano atrás

Muito obrigada pela disseminação do estudo realizado. Gratidão!!!

Talvez Você Também Goste

Estimular criatividade e respeitar singularidades dos alunos são ganhos da esquizoanálise na educação

“Abordagem previne conflitos ao propor relações horizontais e sem competição”, explica Francisco Estácio Neto

‘O adolescente se relaciona mais com a literatura que o adulto’, acredita Luisa Geisler

Autora vê medo de escrever começar nessa fase e indica oficinas de escrita criativa

Transformar texto oral em escrito combate preconceitos linguísticos de estudantes

Alunos registraram contos da cultura ribeirinha em projeto desenvolvido na rede pública de Eirunepé (AM)

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.