Alunos e professores podem conhecer um pouco mais sobre os sítios arqueológicos da Amazônia. Pesquisadores do laboratório de arqueologia do Instituto Mamirauá resgataram vestígios de povos antigos na região do médio Solimões. O material rendeu dois vídeos sobre o assunto, disponibilizados gratuitamente no canal da instituição.

Os vídeos “Amazônia Pré-colonial – Arqueologia e conservação” e “Amazônia Pré-colonial – Boa Esperança” trazem a rotina de escavações, coleta e análise de vestígios e conversas com a comunidade local. Os pesquisadores contam ainda sobre os preparativos da expedição, dados da cultura dos antigos povos que habitaram aquela região e como as recentes descobertas feitas pela arqueologia se conectam ao que já se sabe sobre o passado da Amazônia. Confira 10 links para entender a Amazônia hoje.

“A ideia é mostrar um pouco sobre as discussões que permeiam a história da Amazônia. Isso inclui temas como o manejo ambiental realizado pelas populações indígenas no passado, a antiguidade de suas ocupações, as diferentes culturas que se manifestaram nessa região e de que maneira esse patrimônio é incorporado pelo moradores locais”, afirma o arqueólogo do Instituto Mamirauá, Eduardo Kazuo.

Foto de uma peça de cerâmica com um rosto pintado.
Peças arqueológicas exibidas no vídeo (crédito: reprodução)

 

Vestígios ancestrais

Os pesquisadores consultaram fontes documentais, entrevistaram antigos moradores e visitaram espaços públicos e propriedades privadas com indícios de cultura material secular. Foram coletados vestígios de ocupação humana ancestral, como as camadas de “terra preta arqueológica” (também chamada de “terra preta de índio”), pedaços de cerâmica, carvões e material lítico (rochas e minerais).

Segundo Kazuo, as duas produções ajudam a desmistificar a ideia de que as populações indígenas são “atrasadas”. “Cada vez mais, descobrimos que existiam várias aldeias de grandes dimensões, com centenas de pessoas vivendo em abundância de recursos naturais e manejando toda a floresta para que toda essa riqueza nunca se esgotasse”, relata.

“Infelizmente, com a chegada dos colonizadores europeus, todo esse conhecimento milenar e tecnologia ambiental avançada se perdeu com a escravidão, guerras e doenças. Cabe agora, aos pesquisadores, desvendar essa história enterrada sob os nossos pés”, finaliza.

Veja mais:

Como os objetos podem ensinar sobre contexto histórico?
10 temáticas para abordar a cultura indígena com os alunos

Deixe um comentário

Please Login to comment

Talvez Você Também Goste

Notícias

Série de vídeos da USP aborda evolução humana e arqueologia com jovens

Playlist responde curiosidades como a descoberta da idade de fósseis e escala geológica de tempo

há 3 semanas
Notícias

6 livros que mostram a relação entre ética e educação

Obras dedicadas ao tema convidam professores a repensarem interação, diálogo e liberdade na escola

há 3 semanas
Notícias

As mudanças no mundo do trabalho interferem na formação docente? 4 links ajudam a entender

Currículos universitários refletem reformas trabalhistas, uso de tecnologias e diversidade na escola

há 3 semanas
Notícias

Série de vídeos gratuitos discute o pós-abolição da escravatura na história do Brasil

Curso de extensão em oito partes foi elaborado pela Escola de História da Unirio

há 4 semanas

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.