O setor da moda foi um dos que mais cresceu durante a pandemia do coronavírus. De acordo com pesquisa elaborada pela Ebit/Nielsen, as vendas foram impulsionadas pelas redes sociais e pela onda de compras online. A base desse crescimento ainda é o modelo de fast fashion, em que os produtos são produzidos, consumidos e literalmente descartados em um curto período de tempo. Isso acontece tanto pela má qualidade das roupas quanto pelas constantes mudanças de tendências de moda.

Segundo o movimento global Fashion Revolution, um dos maiores impactos desse modelo é o uso de mão de obra análoga à escrava. “O problema começa quando uma marca não sabe em que condições a sua matéria-prima é extraída ou em que condições as costureiras estão trabalhando”, explica a articuladora educacional do Fashion Revolution Brasil Elisa Tupiná. Presente em 100 países, este movimento incentiva os consumidores a questionarem marcas sobre a transparência de seus processos de produção.

Nesta entrevista, o Instituto Claro conversou com Elisa Tupiná sobre os impactos socioambientais da indústria da moda e sobre como é possível conscientizar consumidores e promover políticas de transparência no setor.

Veja mais:

Armário compartilhado é modelo de negócio que promove economia e sustentabilidade

Aplicativo Trokaí promove troca, compra e venda de roupas de forma sustentável

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Carro da poesia: grupo leva literatura periférica para as ruas de São Paulo

Conheça alguns direitos dos refugiados no Brasil

Projeto promove saúde humanizada por meio da palhaçaria

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.