A assistente de tradução Nayara Rodrigues, 30 anos, costuma dizer que a sua casa é um teatro. Ela e o marido, Edinho Poesia, são surdos e criam o filho ouvinte – como é chamado, na cultura surda, àquele que ouve – Noah, de três anos. Rodrigues ainda é mãe de Miguel, de nove anos, que também ouve e hoje vive com a avó.

“Brincamos de mímica, com expressões faciais e nos divertimos bastante. Somos uma família feliz”, resume. “Buscamos ensinar ao Noah o valor do respeito, amor, educação e queremos que ele entenda a importância de viver em um lar bilíngue”, destaca.

Alfabetizado tanto em português quanto na língua brasileira de sinais (Libras), Noah transita entre os dois idiomas com tranquilidade. “É uma troca: ele aprende a sinalização e nós as palavras que fala em português”, garante.

Realidade parecida com a da família da professora de Libras Flaviana Borges da Silveira Saruta, de 42 anos. Surda e casada com um surdo, ela é mãe de dois ouvintes: Beatriz, de oito anos, e Phelipe, de sete.

“Eles aprenderam comigo e com meu marido, a partir da observação. Em casa, a comunicação tem pouca oralidade e eles se adaptaram naturalmente”, revela.

Com os avós, as crianças interagem em português. “Estão em dois mundos: no meu e no ouvinte, com música e televisão”, analisa ela.

Flaviana com o marido, também surdo, e os dois filhos que são ouvintes (crédito: arquivo pessoal)

Intérprete no parto

Quando o assunto é gestação, as duas mães surdas relataram dificuldades em se comunicar com os profissionais de saúde. “A minha primeira gravidez foi difícil porque eu não tinha autonomia. Minha família é quem interagia com o médico e eu apenas olhava”, lembra Rodrigues.

Na segunda, já vivendo com seu esposo em outra cidade e sem o apoio dos pais, ela conheceu um aplicativo que oferecia um intérprete para mediar a conversa entre paciente surdo e profissional de saúde.

“A partir daí, tive um tradutor no pré-natal, que me explicava as palavras que desconhecia. Isso me deu autonomia”, garante.

Saruta precisou de intérprete até no parto. “A tradutora participou dentro do centro cirúrgico”, conta.

“Queremos que o Noah entenda a importância de viver em um lar bilíngue”, diz Nayara Rodrigues (crédito: arquivo pessoal)

Confira outros conteúdos do portal sobre pessoas com deficiência:
Sem sites e aplicativos acessíveis, pessoa com deficiência se expõe mais à infecção durante pandemia
Universitários com paralisia cerebral contribuem para que faculdades repensem inclusão
Seleção brasileira de futsal Down serve de inspiração para juventude com a síndrome

Além disso, para pais surdos com filhos ouvintes, a escola é outro ambiente pouco inclusivo.

“Quando tem reunião de pais, a professora costuma mandar bilhete pedindo para um responsável ouvinte comparecer”, lamenta Rodrigues.

“Se a intérprete não estiver no dia reunião, eu certamente ficarei perdida”, desabafa Saruta.

Fraldas e remédios

O operador de telemarketing Cláudio Ângelo e a dona de casa Maria das Graças Barreto dizem que as pessoas se surpreendem quando descobrem que um casal de cegos organiza uma casa e cria dois filhos videntes sozinho.

“Fiquei com medo na primeira vez que fui pai. Pensei: como vou criar um bebê sem enxergar? Pouco tempo depois, já trocava fraldas com naturalidade”, comemora.

Segundo a dona de casa, os desafios do dia a dia são resolvidos com adaptações criativas. “Cada pai cego vai descobrindo suas próprias alternativas conforme as situações do cotidiano aparecem”, explica.

Ela lembra que inventou uma técnica especial para dar a sopa aos filhos quando eram bebês. “Como a criança se mexe, eu a colocava no colo e encontrava o cantinho da boca com o dedo mindinho. Isso ajudava a ofertar a colher”, conta.

Para oferecer medicamentos líquidos às crianças, Ângelo pinga as gotas em um copo descartável colocado próximo ao ouvido. “Conto-as pelo barulho”, diz.

Para Maria das Graças, cada pai cego vai descobrindo suas próprias alternativas conforme as situações do cotidiano aparecem (crédito: arquivo pessoal)

Já quando a prescrição é em mililitros, a saída é pedir ajuda da sogra ou de um vizinho para deixar a quantidade certa na seringa.  “As caixas dos medicamentos possuem braile, mas não as cartelas, dosadores e seringas. Isso ajudaria”, lembra Barreto.

Conforme foram crescendo, os filhos do casal – hoje com dez e 13 anos – se tornaram parceiros. “Desde pequenos, eles ajudavam a recolher os brinquedos do chão, evitando acidentes. Assim como não esquecer copos na beirada da mesa”, diz ela.

As crianças também fazem o papel de educadores para seus núcleos de convivência. “Ajudam a difundir informações sobre a pessoa cega para quem desconhece”, comemora Ângelo.

Crédito da imagem principal: arquivo pessoal

Talvez Você Também Goste

Movimento Free Your Stuff: itens sem serventia podem ser doados via Facebook

Iniciativa ajuda a direcionar objeto que iria ao lixo para pessoas perto de sua localidade

Após 10 anos da Política Nacional de Resíduos Sólidos, destino do lixo ainda é desafio

Responsabilidade compartilhada entre empresas, consumidores e poder público não saiu do papel, dizem pesquisadoras

Apoiar negócio de pessoa negra ajuda a fortalecer essa população na crise econômica

Mercado Black Money é exemplo que reúne produtos e serviços criados por afroempreendedores

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.