A cultura das drag queens tem sido um instrumento de representatividade e inclusão de pessoas com deficiência, ajudando no combate a preconceitos dentro e fora da comunidade LGBTQIA+. Uma dessas representantes é a drag queen surda Kitana Dreams (@kitanadreams), personagem do maquiador Leonardo Braconnot.

“Talvez existam pessoas com deficiência que sonham em ser drags, mas pensam que é impossível para elas. Ver drags surdes e PCDs encorajam e mostram que elas também são capazes”, explica.

“A arte Drag ajuda muito na autoestima. Eu sofria bullying, me reprimia e tudo isso me afetou. O nascimento da Kitana mudou isso e me empoderou. A arte drag salvou a minha vida”, compartilha. “Então, precisamos cada vez mais incluir drags surdes e PCDs na comunidade LGBTQIAP+ e apoiá-las”.

Braconnot começou a se montar aos 17 anos, após uma infância e adolescência admirando como sua mãe e demais mulheres da família se vestiam.

“Eu já tinha o desejo de me montar, mas não conhecia a arte drag ou havia entendido minha identidade. Quando entrei no mundo LGBTQIA+ e vi pela primeira vez um show de drags, eu me encantei”, conta. Já o nome Kitana foi inspirado em uma personagem de vídeo game Mortal Kombat.

Nessa época, ele conta que tinha o desejo de conhecer outras drag queens surdas. “Um amigo me apresentou a um grupo de surdos que se montavam apenas no carnaval”. Atualmente, Kitana tem outras “filhas” surdas – termo usado na cultura drag para quando uma artista apadrinha e ajuda iniciantes a se desenvolverem. São elas Josettar e Lizzi Debauche.

Nas redes sociais, a personagem produz conteúdos de entretenimento, motivacionais e de inclusão, sempre em libras e com legendas em português.

“Meu sonho é que as pessoas vejam a Kitana como uma referência de artista surda, Drag Queen, LGBTQIA+ e plus size. Que outras pessoas surdes possam ser e expressar-se como se sentem bem e realizades. Além disso, que sejamos de fato incluídas em todos os espaços”, afirma.

drag queens destaque
Kitana Dreams, Lee Brandão e Renata D’Libra

Quebrada Queen

Lee Brandão é drag queen com deficiência física (@leebrandao1com) da periferia do Distrito Federal (DF). Para difundir uma cultura de diversidade na região, ela coordena o coletivo Quebrada Queen (@quebrada.queen).
“Eu trabalhava como bailarino de algumas drags e surgiu a curiosidade de ter um envolvimento mais próximo com essa arte. No começo, eu procurava disfarçar minha deficiência com roupas e looks. Foi um processo de desconstrução para eu começar a me firmar como drag que é PCD”, explica.

“Ter drag queens com deficiência é importante porque há pouca representatividade de PCDs em todos os espaços, como mídia, internet e também na cena artística. Isso alimenta um ciclo vicioso: não há visibilidade e, logo, outras pessoas sentem que podem tomar essa atitude”, explica. “Penso que o que fazemos é plantar uma semente para as próximas gerações. Talvez a gente não veja os frutos serem colhidos ainda”.

Show em libras

Lenon Tarragô era um jovem da periferia de Canoas que ganhou uma bolsa de estudo de idiomas. Escolheu a Língua Brasileira de Sinais (Libras) e tornou-se intérprete.

“Comecei a sair com pessoas surdas, que eram muito acolhedoras, e a namorar um rapaz surdo. Mergulhei nessa cultura”, revela.

Na faculdade, Tarragô começou a frequentar shows de drag queens e a ter contato com o programa de televisão Ru Paul Drag’s Race.

“Eu havia feito teatro, tinha o desejo de me montar, mas não conhecia outras drags da minha cidade. Então, a minha referência era assistir à drag queen Lorelay Fox ensinando maquiagem no Youtube”, relembra.

A arte drag e a profissão de interprete se juntarem pela primeira vez na faculdade, quando ele decidiu se apresentar.
“Meus amigos surdos estavam na plateia e se apenas dublasse a música, eles não entenderiam. Comecei a dublar e a sinalizar”, conta.

Nascia assim a drag queen e intérprete de libras Rita D‘Libra (@ritadlibra), que hoje atua fazendo shows, produzindo conteúdo informativo sobre libras nas redes sociais e trabalhando como intérprete em eventos e em shows de artistas da comunidade LGBTQIA+, como Gloria Groove, Pablo Vittar e Ludimila. Tudo isso sempre montada.

“Meu objetivo é transmitir a emoção e a mensagem das músicas para as pessoas surdas e incentivar pessoas ouvintes a querer aprender Libras, visando uma sociedade mais inclusiva. “

Ao longo dos anos trabalhando montado, Rita vivenciou situações de preconceito. “Fui contratada como drag para traduzir um evento quando em determinado momento o cliente pediu para eu desmontar, disse que eu estava chamando atenção. Eu recusei e depois fui saber que quem reclamou foi outro intérprete, que se incomodou de eu trabalhar montada”.

“Por isso, também busco oportunizar que o campo de intérpretes aceite melhor a diversidade e seja mais inclusivo com a população LGBTQIA+”, conclui.

Veja mais:

Pessoa LGBTI+ com deficiência enfrenta preconceito e desinformação em ambos grupos

Especial LGBTQIA+: conheça mais sobre as letras da sigla

Balé de cegos e street cadeirante: pessoas com deficiência se destacam na dança

Modelo com síndrome de Down, Maju de Araújo conscientiza sobre inclusão na moda

Talvez Você Também Goste

13 dúvidas sobre os direitos do trabalhador que pediu demissão

Advogados esclarecem mitos e verdades desse modelo de rescisão contratual

Perfil na internet busca combater etarismo ao publicar roupas usadas por idosos no dia a dia

Estilo Vovô captura looks criados pela terceira idade que também são tendências entre jovens

“Diretas Já” completa 40 anos e deixa legado para a democracia

Historiador lembra como mobilização pelo voto direto influenciou a criação da Constituição de 1988

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.