Leonardo Valle

A ONU Mulheres Brasil lançou a websérie documental #Brasil5050. A iniciativa aborda os anseios de especialistas, ativistas e parlamentares pela democracia paritária e discute temas como o incentivo às candidaturas de mulheres e a responsabilidade de partidos políticos para viabilizá-las. Para isso, foram ouvidas 25 brasileiras e duas especialistas internacionais, da Bolívia e do Paraguai.

As eleições de 2018 são as primeiras com novas medidas definidas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para fazer avançar a paridade de gênero na política brasileira. Em maio deste ano, o TSE deferiu por unanimidade a destinação de 30% do Fundo Eleitoral e de 30% do tempo de propaganda para as candidaturas de mulheres. A decisão responde à consulta formulada por um grupo de 14 mulheres parlamentares.

“A questão central é saber o que os partidos farão para assegurar que mais de R$ 500 milhões dos R$ 1,7 bilhão do Fundo Eleitoral realmente viabilizem as candidaturas de mulheres? Este é o fato novo das eleições 2018, em que as mulheres terão à disposição recursos para fortalecer as suas candidaturas, o que pode ser ter efeitos nos próximos ciclos eleitorais e alterar o baixo índice de mulheres eleitas na política brasileira”, destaca a representante da ONU Mulheres Brasil Nadine Gasman.

As mulheres entrevistadas para a websérie #Brasil5050 foram:

– Ana Perugini (deputada federal);

– Benedita da Silva (deputada federal);

– Clátia Vieira (Comitê Mulheres Negras Rumo a um Planeta 50-50 em 2030);

– Creuza Oliveira (Grupo Assessor da Sociedade Civil da ONU Mulheres Brasil);

– Flávia Biroli (Grupo Assessor da Sociedade Civil da ONU Mulheres Brasil);

– Flávia Campuzano (Agência Lupa);

– Givânia Silva (Comitê Mulheres Negras Rumo a um Planeta 50-50 em 2030);

– Iara Alves (Escola Nacional de Administração Pública);

– Ieda Leal (Movimento Negro Unificado);

– Jacira Melo (Instituto Patrícia Galvão);

– Jô Moraes (deputada federal);

– Juliet Matos (Rede Sustentabilidade);

– Kátia Uriona (presidenta do Tribunal Eleitoral da Bolívia);

– Liége Santos (União Brasileira de Mulheres);

– Line Bareiro (consultora da ONU Mulheres para Américas e Caribe);

– Luciana Lóssio (advogada);

– Luciana Santos (deputada federal);

– Luiza Brunet (modelo e atriz);

– Maria Inês Barbosa (ativista do movimento negro);

– Mariana Rosa (Coletivo Rosas pela Democracia);

– Marlise Santos (Grupo Assessor da Sociedade Civil da ONU Mulheres Brasil);

– Mônica Oliveira (Grupo Assessor da Sociedade Civil da ONU Mulheres Brasil;

– Regina Adami (Comitê Mulheres Negras Rumo a um Planeta 50-50 em 2030);

– Renza Gomes (Secretaria Executiva do PSD);

– Talita Victor da Silva (secretária LGBT do PSOL DF);

– Tereza Vitale (Coordenação Executiva do PPS);

– Thânisia Cruz (Comitê Mulheres Negras Rumo a um Planeta 50-50 em 2030).

 

Com ONU Mulheres Brasil.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Notícias

Cartilha explica importância das mulheres em cargos políticos

Material da FGV também aborda violência de gênero nas eleições

há 4 meses
Notícias

Taxa de mortalidade infantil é menor em municípios com prefeitas, aponta estudo

Lugares apresentaram ampliação de projetos sociais e acesso à saúde pública

há 1 ano
Notícias

Cartilha ajuda a dialogar sobre política com quem pensa diferente

Publicação busca contribuir com construção de sociedade menos polarizada

há 2 anos
Notícias

Série disponível na internet mostra iniciativas de mobilização política nas periferias

Vídeos apresentam ações de cidadãos que se mobilizaram por suas comunidades

há 3 anos

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.