A produção do açaí pode gerar como descarte as sementes do fruto. Para aproveitar esse resíduo e ainda resolver o problema da falta de acesso à água potável por grande parte da população de Rondônia, o pesquisador Ygor Requenha Romano desenvolveu um filtro que usa esse material como matéria-prima.

“É feito para ser utilizado em garrafas pet. O preço de custo é baixíssimo e é ecológico, além de muito eficiente. As sementes passam por uma alteração química antes de serem colocadas no filtro, mas isso não agride o meio ambiente quando elas forem descartadas”, explica.

Ygor Requenha Romano manipulando as sementes de açaí que serão utilizadas no filtro (crédito: divulgação)

O filtro possui duas entradas. Em uma, anexa-se uma garrafa pet com a água do rio coletada. Do lado oposto, uma segunda garrafa pet é rosqueada e ficará pronta para receber a água filtrada.

“O processo é realizado como se fosse uma ampulheta”, compara.

Segundo Romano, a solução poderia atender, principalmente, às populações ribeirinhas, que usam a água do rio para as tarefas do dia a dia. “Poços artesianos são caros e não fazem parte da realidade de grande parte das pessoas”, lamenta.

Outra motivação do cientista foi ajudar a agregar valor a um produto fruto do extrativismo da região. Com isso, ajudariam a gerar renda para populações vulneráveis.

“As sementes, que iriam para o lixo, seriam compradas das famílias que produzem o açaí”, explica ele, que busca parceiros e patrocínio para produzir a iniciativa em larga escala.

Romano contou com orientação da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Universidade de São Paulo (USP) e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) para desenvolver a iniciativa.

Em 2019, ele foi convidado para representar o Brasil no Fórum de Jovens Cientistas do Encontro de Cúpula dos BRICS (grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul).

Segundo dados da Embrapa, de 2018, a produção nacional do açaí é de aproximadamente 1,5 milhão de toneladas por ano, considerando as áreas plantadas e extrativismo. Os maiores produtores são o Pará e o Amazonas, estando Rondônia na quarta colocação.

Veja mais:
Resíduos de cosméticos podem contaminar água e solo em longo prazo
Mulheres negras são mais afetadas pela falta de saneamento básico no Brasil, diz estudo
Problemas relacionados a rios e córregos podem ser denunciados ao Comitê de Bacia Hidrográfica

Deixe um comentário

Por favor, faça Login para comentar

Talvez Você Também Goste

Notícias

Necessidade de água potável deve crescer exponencialmente no Brasil até 2040, aponta estudo

Aumento da população e mudanças climáticas devem demandar o equivalente a mais 4,4 Sistemas Cantareira

há 5 meses
Notícias

Crescimento da indústria têxtil no país exige mais água e recursos naturais, explica vídeo

Programa da TV Justiça esclarece esses impactos e mostra uma iniciativa de reciclagem de tecidos

há 11 meses
Notícias

Estudos apontam que água da Amazônia está secando

Regime de chuvas, desmatamento, mau uso do solo e obras de infraestrutura estão entre causas

há 1 ano
Notícias

Vazamento de óleo nas praias do Nordeste: cartilha explica monitoramento e formas de atuação

OAB-PE lista locais atingidos e orienta sobre resgate de animais e trabalho voluntário de limpeza

há 1 ano

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.