Leonardo Valle

A Rede Nacional de Operadores de Segurança Pública LGBTI (Renosp-LGBTI) lançou uma cartilha com dicas de segurança para gays, lésbicas, bissexuais, transexuais, travestis e intergêneros.

O documento pode ser acessado gratuitamente online e reúne orientações sobre: como ter atenção ao andar na rua, evitar sair à noite sozinho – procurando andar em grupos – e utilizar aplicativos que marcam a localização em tempo real. O texto também oferece uma lista de telefones de serviços públicos e gratuitos que podem ser acionados em situações de emergência, como polícia civil, militar, Centro de Valorização da Vida (CVV) entre outros.

O texto é assinado pela sargenta da Marinha Brasileira, Bruna Benevides, e pelo soldado da Polícia Militar, Tiago Leme.

A Redenosp foi criada em 2011 e é formada por policiais, agentes penitenciários, vigilantes ou outros profissionais que atuam na área de segurança pública e que assumiram publicamente a homossexualidade.

O Brasil é considerado o país que mais mata pessoas LGBTI no mundo, de acordo com a organização Grupo Gay da Bahia. A entidade monitora, há 38 anos, casos de assassinatos em território brasileiro e registrou um aumento de 30% nos homicídios dessa população entre 2016 e 2017, passando de 343 para 445 mortes.

Veja mais:
Cartilha orienta agentes de segurança pública sobre como tratar população LGBTI

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Notícias

Região da América Latina e Caribe foi a mais perigosa para a imprensa em 2019, segundo a Unesco

De acordo com a entidade, cobrir assuntos locais é mais perigoso que zonas de guerra

há 2 anos
Notícias

Mapa da Violência de Gênero disponibiliza informações sobre agressões a mulheres e LGBTQ+

Plataforma permite cruzamento online de dados e consulta de leis estaduais e nacionais

há 2 anos
Notícias

Violência no campo cresceu 36% no Brasil entre 2017 e 2018, aponta relatório

Levantamento da Comissão Pastoral da Terra mostra que conflitos afetaram quase 1 milhão de pessoas

há 2 anos
Notícias

Relatório internacional denuncia aumento de mortes violentas no Brasil

Assassinato cometidos por policiais em 2017 cresceram 20% em relação a 2016, segundo o documento

há 3 anos

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.