Durante a Primeira Guerra Mundial, o francês Célestin Freinet (1896-1966) foi ferido, o que resultou em um problema em seus pulmões. Posteriormente, quando foi dar aulas, a questão de saúde não o permitia discursar por um logo período de tempo sobre a lição do dia. A dificuldade foi um dos elementos que o levou a pensar em maneiras de ensinar que não dependessem unicamente da transmissão do conhecimento pelo professor.

“Há três bandeiras levantadas por ele: abaixo a aula, abaixo os materiais didáticos e até 25 alunos por sala”, explica o professor do Instituto Federal de São Paulo (IFSP) – Campus Itapetininga, e estudioso da obra do autor, Ivan Fortunato. Freinet passou a maior parte de sua carreira trabalhando em instituições administradas diretamente por ele e sua esposa Elise Freinet (1898-1983). Nelas, nasceram algumas técnicas usadas até hoje em boa parte das escolas, ainda que raramente ligadas a eles, como a imprensa escolar e os ateliês.

Nesta entrevista, que faz parte da segunda temporada da série Pensadores na Educação, o pesquisador apresenta aspectos da vida e obra do autor, comenta algumas de suas inovações e indica leituras para conhecê-lo melhor, como o “Dossiê: A atualidade da pedagogia Freinet”.

Acesse abaixo os outros episódios da série:

Pestalozzi e a aprendizagem pela afetividade
John Dewey e a educação para a democracia
Anísio Teixeira e a construção do projeto de ensino público no Brasil
Skinner e o uso educacional da análise do comportamento

Veja também a primeira temporada dos Pensadores na Educação

Deixe um comentário

Please Login to comment

Talvez Você Também Goste

Como levar conceitos da geopolítica para os alunos do ensino médio?

Lei que prevê psicólogos na escola pode sobrecarregar a instituição, avalia pesquisador

Para melhorar a convivência escolar, professores têm formação em Sumaré

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.