Palavras-cruzadas e caça-palavras são atividades com potencial para promover um ensino significativo na disciplina de química, principalmente durante o ensino médio.

“Motivam os alunos por estimularem a criatividade, curiosidade, raciocínio e interação, assim como habilidades de interpretação de texto, redação, ortografia, ampliação do vocabulário e atenção. Aplicada em grupo, contribui para a socialização e argumentação”, lista a professora de Campinas (SP), Valéria Cristina dos Santos Camargo.

“Elas exigem do estudante interpretar um questionamento e buscar definições. Isso de forma divertida e prazerosa”, acrescenta o mestre em química e professor da rede pública de Ituiutaba (MG), João Ribeiro Franco Neto.

Segundo o docente, há ganhos também para o professor. “É possível notar uma ampliação na aprendizagem daqueles conceitos trabalhados por meio das palavras cruzadas, por exemplo, em comparação aos conteúdos em que a atividade não foi usada. Essa maior retenção e fixação da matéria torna o processo interessante”, garante ele.

Experiências práticas

As palavras-cruzadas e caça-palavras podem ser utilizadas no começo, meio ou final de uma sequência didática. “Ou seja, para introduzir um novo conceito, contextualizá-lo, ou como revisão para trabalhar o tema de forma interdisciplinar”, conta Camargo.

“Outras possibilidades são usá-las de forma avaliativa, para verificar os conhecimentos adquiridos e falhas de aprendizagem a serem preenchidas”, completa.

Para começar a construção, a professora e mestre em química, Thábata Laís de Araújo Barbosa Nascimento, sugere ao professor usar palavras-chaves do conteúdo em questão.

“Assim, em vez de se preocupar em decorar palavras e conceitos para responder o desafio, o estudante pode associar as perguntas à fala do professor, levando à reflexão e ao raciocínio”, diferencia.

Para fugir da memorização, Camargo sugere relacionar os conceitos trabalhados com temas da atualidade e do cotidiano dos alunos. “Vale também equilibrar o prazer do lúdico com o educativo, entendendo a palavra-cruzada como recurso para ensinar algo”, alerta.

Já Neto costuma utilizar softwares e aplicativos para criar a atividade, evitando trabalho com a diagramação.

“É uma boa opção também para o ensino remoto. O aluno pode fazer a atividade, printar no seu celular e devolver ao professor por mensagem”, esclarece.

Cada série, um tema

Nascimento recomenda aplicar a atividade em dupla, grupos e com a classe em círculo. “O colega pode ajudar um aluno com dificuldade, sendo facilitador da aprendizagem e favorecendo uma nova visão sobre aquele conteúdo”, enfatiza.

Neto lembra que o professor pode iniciar a preparação da atividade com assuntos leves, apostando na prática para se aperfeiçoar. Vale ainda pedir feedback dos alunos sobre como foi participar do desafio.

“Lembre-se que alunos podem rejeitar algo novo, por receio do erro”, diz o docente. “Contudo, o desafio engaja e traz modernidade para a proposta. Proponha que o ganhador seja não somente quem finalizar primeiro, mas quem acertar mais questões”, opina.

Para ele, a atividade não deve ser alinhada à nota e, em uma sequência didática, aparecer intercalada com a aula expositiva e outros recursos. “Sua aplicação dura, no máximo, 25 minutos”, calcula.

Sobre os temas a serem trabalhados no ensino médio, ele sugere aqueles com mais conceitos teóricos. Para o primeiro ano desta etapa, use conteúdos como separação de misturas, ligações químicas e funções inorgânicas.

No segundo ano, é a vez de substâncias simples e compostas, soluções, propriedades coligativas, termoquímica e eletroquímica.

Nascimento, por exemplo, apostou na atividade para ensinar substâncias químicas. “Pretendia que os alunos compreendessem cada conceito de forma clara, aprendendo a diferenciá-los, pois o assunto possui exemplos parecidos”, justifica.

Por fim, o terceiro ano pode se beneficiar da atividade no ensino de química orgânica. “Pode-se trabalhar funções e classificações de cadeia”, finaliza o professor.

Veja mais:
Aulas de química estimulam a escrita e a imaginação
Estudo de cosméticos auxilia no aprendizado de Química Orgânica em escola de São Paulo
Tabela periódica interativa destaca uso de elementos no dia a dia
Plano de aula: Introduzindo conceitos de solução e concentração química

Crédito da imagem: danielvfung – iStock

Deixe um comentário

Please Login to comment

Talvez Você Também Goste

Metodologia ativa ‘brainstorm’ na alfabetização aproveita curiosidade e vivência das crianças

Escrita e leitura são estimuladas a partir de perguntas ou criação de listas temáticas

Metodologia da sala de aula invertida fica prejudicada pela falta de internet

Em pesquisa sobre ensino híbrido, professor de ciências identificou preferência por rotação em estações

Após sentirem as dificuldades, recém-formados em matemática desistem da docência

Relatos incluem falta de perspectiva financeira, profissional e experiências negativas no estágio obrigatório

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.