As memórias escolares e de vida dos alunos podem ser utilizadas para trabalhar vocabulário e verbos do passado nas aulas de língua inglesa. Na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio (EEEFM) Teófilo Paulino, em Domingos Martins (ES), a professora de inglês e projeto de vida Sabrina Alves utiliza as lembranças dos estudantes para criar com eles um painel autobiográfico a ser exposto na escola. A atividade é desenvolvida com o 9º ano do ensino fundamental e 3º ano do ensino médio.

“Com o 9º ano, trabalhamos os verbos regulares e irregulares do passado simples. No 3º [ano] do ensino médio, a atividade fica mais complexa porque entram simple past, past continuous e present perfect, que não existem em português, além de advérbios relacionados ao passado. Os alunos têm que envolver e adicionar tudo isso na sua linha do tempo”, descreve a docente, que aplica a atividade há mais de 10 anos.

Já o vocabulário que os alunos vão estudar depende de quais ações e vivências tiveram. “Se o aluno quebrou o braço, pode trabalhar o vocabulário do corpo humano. O mesmo vale se aprendeu a andar de bicicleta, viajou pela primeira vez ou mudou de cidade”, exemplifica. “Ao final, o que vemos é que os estudantes gostam de contar a história deles pelo seu ponto de vista e de serem ouvidos. Eles conseguem incorporar no painel aquilo que foi especial para eles na sua trajetória de vida”, destaca.

Passo a passo

Alves explica que a atividade de criação de um painel autobiográfico com os alunos é realizada em quatro etapas. “A primeira é explicar que o trabalho será realizado em formato de linha do tempo, que não precisa ser reta, mas ter uma sequência para o leitor compreender. Inicia com o dia do nascimento do aluno”, conta.

Como a linha do tempo será produzida com fotos, desenhos, objetos e outras lembranças, o segundo momento é a coleta de informações, que exigirá a participação da família. “É muito difícil envolver os pais em alguma atividade quando se trata de ensino médio e de nono ano. Quando conseguimos isso, os alunos ficam felizes e orgulhosos também”, garante.

A terceira etapa é a construção das frases em inglês. “Eles iniciam em português para depois traduzi-las, mas escolhendo o melhor tempo verbal para usar”, aponta. “Por esse motivo, a atividade pode ser associada também às disciplinas de língua portuguesa e projeto de vida”, afirma a professora.

A última etapa é a montagem dos painéis, realizada uma parte em casa e outra na escola. “Geralmente, é necessária meia cartolina por aluno”, indica a docente.

Cuidados na hora de implantar o projeto

Segundo Alves, os alunos precisam ser orientados a colocar no painel memórias com as quais se sintam confortáveis que outras pessoas vejam, já que os cartazes serão expostos à comunidade escolar. “Eu também peço que tirem uma cópia das fotos escolhidas e nunca anexem a original no painel”, adverte.

Na hora de consultar a família, os alunos não precisam necessariamente perguntar para pai ou mãe, mas para um responsável. “Pode ser avós, tios ou alguém que fez parte da infância e da adolescência deles naquele momento”, pontua. Além disso, as datas a serem colocadas no painel não precisam ser exatas, mas aproximadas.

De acordo com Alves, histórias emocionantes são compartilhadas pelos alunos na atividade. “Eu tive uma aluna que perdeu o pai na pandemia da covid-19 e quis homenageá-lo. Outra colocou a imagem da professora que ajudou a alfabetizá-la. Como educadores, a gente percebe a importância que tivemos na trajetória deles, algo que as vezes não nos damos conta”, ressalta.

Alves revela que o retorno recebido dos alunos é positivo. “Eles pedem aos pais e responsáveis para verem os trabalhos e colocam as fotos do resultado final no Instagram. É uma atividade que realmente sentem prazer em realizar”, finaliza.

Veja mais:

6 formas de ensinar a língua inglesa pela perspectiva decolonial

9 planos de aula para ensinar inglês de forma lúdica

Plano de aula – Simple Past e Present Perfect na confecção de um journal

Como ensinar inglês com música na escola?

Construir árvore genealógica aproxima aluno de conteúdos da geografia

Crédito da imagem: acervo pessoal da professora Sabrina Alves

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Cup song ajuda a ensinar educação artística, matemática, línguas e ciências

Coreografia com copos trabalha coordenação motora, contagem de tempo e vibração do som

Conheça 9 dinâmicas para ensinar matemática a aluno com TDAH

Atividades lúdicas aliadas a conteúdos curriculares ajudam a trabalhar atenção e memória

Dissecação de flores ajuda a abordar angiospermas nas aulas de biologia

Atividade permite ao aluno identificar cada parte da planta e sua função na reprodução

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.