O turismo de base comunitária é um conceito que coloca a população local em posição de protagonismo em todas as etapas. Comumente associado a territórios com comunidades tradicionais, esse modo de fazer turismo também pode ser vivenciado em contexto urbano.

No Conjunto Habitacional José Bonifácio, mais conhecido como Cohab 2, na Zona Leste de São Paulo (SP), o coletivo Grupo Da Mata se dedica a fomentar o desenvolvimento sociocultural local a partir do turismo de base comunitária. O grupo realiza o projeto Cria-Ativa Cohab 2, que oferece passeios, roteiros culturais e caminhadas abertas ao público na região. Dessa forma, eles valorizam um território comumente estigmatizado por estar na periferia, mostrando sua diversidade cultural e os espaços de resistência.

Potência cultural

Segundo a gestora cultural Uriel Barbosa, o território já tem uma potência cultural, que não necessariamente está relacionada ao turismo. O trabalho do coletivo está em fortalecer e conectar os dois objetivos. “A gente escolhe pontos que são referência para cultura do nosso território, tanto [em relação à] questão histórica ou que tenha uma produção cultural e artística ativa hoje, ou também espaços de lazer, que são pontos de encontro importantes para o bairro, e espaços verdes, que vão agregar essa questão da qualidade de vida”, afirma Barbosa.

Neste vídeo, o Instituto Claro acompanhou uma dessas caminhadas e conversou com os organizadores do roteiro e seus participantes sobre o turismo de base comunitária e os benefícios trazidos para a comunidade.

Veja mais:

Mulheres ciclistas: confira dicas e desafios do uso da bicicleta em espaços urbanos

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Mitos e verdades sobre a varíola dos macacos

Como a moda pode ser mais consciente?

O que é uma composteira termofílica?

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.