O Brasil tem um número baixo de mulheres pedalando pelas ruas das grandes cidades em comparação aos ciclistas homens. Segundo levantamento feito pela associação Ciclocidade, apenas 6% das mulheres andam de bicicleta na cidade de São Paulo. Além do assédio e da violência de gênero, entre os problemas listados na pesquisa, foi constatado que 27% das mulheres têm medo de compartilhar a via com carros pela falta de respeito no trânsito, 26% considera o risco de ter colisões, quedas ou atropelamentos e 14% pensa no risco de assalto e na falta de infraestrutura da cidade.

Desafios urbanos

Para a designer e voluntária do grupo Bike Anjas Luciana Souza, os desafios começam com o planejamento urbano: “A cidade foi feita por homens para homens, não pensando no deslocamento da mulher”.

Neste vídeo, o Instituto Claro foi conhecer o projeto Bike Anjas, que organiza pedaladas pela cidade de São Paulo, e também estimula e encoraja mulheres ao uso diário da bicicleta como meio de transporte, além de ajudar as que têm o desejo de pedalar, mas não sabem como e nem por onde começar. O vídeo traz dicas para iniciantes, com os dispositivos de segurança que devem ser analisados.

Veja mais:

Mulheres periféricas formam rede de apoio para resistir à desigualdade

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Carro da poesia: grupo leva literatura periférica para as ruas de São Paulo

Conheça alguns direitos dos refugiados no Brasil

Projeto promove saúde humanizada por meio da palhaçaria

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.