Autogestão, produção sustentável e geração de renda nas mãos de quem produz são bases da economia solidária que norteiam a Feira Agroecológica e Cultural de Mulheres no Butantã, bairro localizado na Zona Oeste de São Paulo (SP).

O projeto faz parte de uma rede com abrangência nacional, a Rede Nacional de Economia Solidária Feminista (RESF), que apoia e participa da construção de espaços de desenvolvimento sustentável e solidário protagonizados por mulheres em todo o país.

Economia solidária

“Na economia solidária, existe um outro modo de produção, comercialização e consumo, que traz na sua essência a coletividade, cooperação, ganho justo, preservação do planeta e valorização das mulheres, entre outros grupos vulneráveis da sociedade”, afirma uma das organizadoras da feira Ana Luiza Laporte.

O evento é gratuito e além de reunir mais de 30 expositoras mensalmente, conta com espaço reservado para atividades com as crianças, oficinas, atividades físicas e atrações musicais, todas as atividades protagonizadas por mulheres.

No vídeo, as organizadoras da Feira Agroecológica e Cultural de Mulheres no Butantã falam sobre economia solidária e autogestão e compartilham a experiência de construir juntas este projeto.

Veja mais:

Como a moda pode ser mais consciente?

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Como identificar e prevenir a tuberculose?

Atividades ao ar live resgatam a interação social afetada pelo uso excessivo de telas

Conheça mitos e verdades sobre a dengue

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.