Leonardo Valle

Todo mundo possui em casa um item sem uso que poderia ser extremamente útil para outra pessoa. O ato de doar, além de exercitar o desapego e a solidariedade, também é benéfico para o planeta, pois poupa recursos naturais que seriam destinados a produção de um item novo. Contudo, há regras a serem seguidas em relação à doação de itens específicos, como alimentos, roupas, medicamentos e afins. Elas garantem que as peças cheguem às pessoas necessitadas em bom estado e que seu uso seja efetivo. Confira as orientações!

Alimentos

Os alimentos não perecíveis – como farinha, feijão ou grão-de-bico – devem ser doados dentro da data de validade e em sacos íntegros. Ainda assim, é preciso inspecioná-los para ver se não há bichinhos, como carunchos, que conseguem penetrar por micro furos.

Frutas, verduras e legumes podem ser doados em qualquer estado de maturação, menos quando estragados. “Ou seja, se estiverem mofados, soltando líquidos ou com odor ruim”, orienta a nutricionista Camila Kneip. Além disso, no transporte, cuidado para não colocar produtos pesados sobre sensíveis. Por fim, alimentos congelados ou perecíveis que precisam de refrigeração precisam ser doados refrigerados.

Qualquer pessoa pode doar alimentos, seja para famílias necessitadas, bancos de alimentos ou instituições. As refeições preparadas são as únicas que não podem ser doadas. “É o caso das sobras. É impossível garantir que elas chegarão a tempo de serem consumidas com segurança, antes de estragarem”, justifica a nutricionista.

Brinquedos

É indicada a doação de brinquedos com selo do Instituto Nacional de Metrologia (Inmetro). Ele garante, por exemplo, que a peça passou por testes de queda e não contém substâncias tóxicas. Em relação ao material, o ideal é que o brinquedo doado não quebre facilmente, seja lavável, não tenha pelo ou lã e que não contenha peças pequenas. Essas podem causar acidentes, como como aspiração pelo nariz ou sua introdução, pela criança, em sua boca ou ouvido.

Roupas

Devem ser doadas lavadas e, de preferência, com todos os seus acessórios em bom estado – como zíper e botões. Geralmente, os receptores são pessoas em condições de vulnerabilidade e sem condições financeiras para reparos. Há instituições específicas, porém, que aproveitam peças sem condições de uso. É o caso do Exército da Salvação. “As vendas são feitas em pacotes fechados, como fardos, que normalmente são comprados para reciclagem e fins de estofamento”, explica o porta-voz Tiago Mendes.

Dependendo da instituição escolhida, vale a pena checar se há restrição ou preferências por peças. Por exemplo, locais que trabalham com moradores de rua podem ter uma saída maior de roupas masculinas do que femininas.

Eletrônicos

Podem ser doados tanto os itens em bom estado quanto os quebrados. No segundo caso, suas peças são vendidas avulsas e aproveitadas por assistências técnicas.

Móveis

“Solicitamos que, na medida do possível, o móvel esteja em condições de reúso, não quebrados ou sem pontos de ferrugem ou cupim”, orienta o porta-voz do Exército da Salvação. “Por muitas vezes, recebemos solicitações de intenção de doação de móveis planejados. Mas, por serem especialmente desenhados para um ambiente, não são aproveitáveis em outro espaço. Assim, evitamos coletá-los”, explica.

Livros

O ideal é que estejam em bom estado e com capa e miolos íntegros. A doação pode ser feita para bibliotecas públicas ou comunitárias. Em caso de livros didáticos, o ideal é direcioná-los para cursinhos populares ou instituições que recebam especificamente este tipo de material. Exemplares com conteúdos desatualizados, entretanto, devem ser enviados diretamente para a reciclagem.

Materiais escolares

Mochilas, cadernos, canetas, lápis e borrachas usados podem ser doados, desde que ainda estejam em bom estado para reúso. Instituições para crianças carentes e cursinhos populares costumam receber este tipo de material.

Produtos de higiene

As instituições costumam receber absorventes, desodorantes, pasta de dentes, fraldas, escova de dentes, fio dental e afins fechados. Uma dica é a campanha MiniGentilezas, da ONG Argilando, que coleta amostras de produtos de higiene distribuídas em hotéis e aviões. São mais de 200 pontos de coleta em todo o Brasil. Os itens são direcionados a pessoas em situação de rua.

Remédios

A orientação é que os medicamentos estejam dentro do prazo de validade e tenham sido armazenados corretamente, sem exposição de calor ou umidade. ONGs como a “Farmácia do Bem” recebem medicamentos tanto fechados quanto abertos e de todos os lugares do Brasil.

Talvez Você Também Goste

Consumidores financiam pequenos agricultores em troca de produtos orgânicos e sustentáveis

“Comunidade que Sustenta Agricultura” é modelo colaborativo com 150 unidades no Brasil

Pessoa LGBTI+ com deficiência enfrenta preconceito e desinformação em ambos grupos

“Sociedade não nos vê com autonomia para ter identidade de gênero e sexualidade”, relata entrevistado

Dificuldades de comunicação e interação fazem mulheres se descobrirem autistas depois de adultas

Estereótipo de gênero feminino como “quieto” e “introvertido” prejudica diagnóstico precoce

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.