Estabelecer um diálogo com homens que cometem violência contra a mulher pode ser tarefa desafiadora, mas é importante para que o crime seja combatido. Para fomentar esse tema, está no ar a cartilha online “Como conversar com homens sobre a violência contra as mulheres”.

A publicação, iniciativa do Instituto Avon, do Papo de Homem e do Quebrando o Tabu, reúne dicas tanto para conversar com os que cometeram abuso e violência quanto os que desejam apoiar a causa.

“Muitos ainda argumentam que lei de proteção às mulheres é privilégio; desconfiam e reagem mal ao termo igualdade; relativizam abuso de maridos com suas esposas”, destaca o guia.

Segundo o documento, a prática mostra que há palavras e locuções que são ”gatilhos negativos”. Isto é, quando usadas em um argumento, tendem a diminuir as chances de se manter o diálogo e atraem contestação e raiva.

“Estes gatilhos são: gênero, ideologia de gênero; igualdade, igualdade entre homens e mulheres, igualdade de gêneros; feminismo, feminista; machismo, machista; e também questões sobre o que é assédio (todas as variações e derivações)”, lista o texto.

Entre as orientações relacionadas ao diálogo com agressores, estão: esperar  para conversar com ele quando estiver calmo; dizer, de maneira direta, que foi um caso de violência e que a pessoa precisa ser responsabilizada por seu ato.

Para os possíveis apoiadores da causa, a cartilha recomenda lembrar que “caras bons” podem cometer agressões, não se calar diante de um caso de violência doméstica, ajudar a orientar outras pessoas e lembrar que denúncias “falsas” de mulheres são exceções.

A publicação traz, ainda, uma pesquisa que apresenta sobre quais assuntos as pessoas gostariam de saber mais, para ajudá-las nos diálogos mais difíceis. Os cinco temas mais citados foram: o que é consentimento (42,5%), como a violência doméstica impacta as crianças (35,5%), igualdade de direitos (34,7%), por que elogios e cantadas são prejudiciais (30,9%) e divisão de tarefas (27,1%).

Veja mais:

“Falar sobre masculinidade tóxica é um caminho a ser seguido por quem busca igualdade”, afirma Tulio Custódio

Homens acusados de cometer violência doméstica fazem curso para desconstruir estereótipo machista

Deixe um comentário

Talvez Você Também Goste

Notícias

Programa “Educando para a Diversidade” da TV Unesp é disponibilizado em versão podcast

Episódios discutem situação de indígenas, negros, refugiados, padrões corporais, intolerância religiosa, entre outros

há 3 semanas
Notícias

Vídeos da Turma da Mônica e ONU ensinam sobre violência contra a mulher

Animações disponíveis na internet levam tema para crianças e jovens, com foco na prevenção

há 6 meses
Notícias

Curso online gratuito esclarece papel de empresas e governo na gestão ambiental

Iniciativa tem duração de 45 horas e não exige pré-requisitos para participação

há 3 dias
Notícias

Setembro Dourado: iniciativa ajuda a difundir informações sobre câncer infantojuvenil

Reconhecer sintomas em crianças da família ou filhos de amigos aumenta chances de diagnóstico precoce

há 5 dias

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.