Leonardo Valle

Projetos de Lei (PL) que tramitam no Congresso Nacional visando combater a violência de gênero em períodos de isolamento social desconsideram desigualdades sociais agravadas pela intersecção de gênero e raça.

Essa foi uma das conclusões da nota técnica publicada pelo Consórcio Lei Maria da Penha pelo Enfrentamento a todas as Formas de Violência de Gênero contra as Mulheres, que analisou seis PLS com a temática. A análise considerou aspectos positivos das propostas, dimensões a serem aprimoradas e recomendações aos parlamentares.

O documento lembrou que os PLs não apresentam medidas para atender demandas de segmentos específicos, como populações indígenas, de comunidades tradicionais, de pessoas com deficiência e de territórios sob domínio do tráfico de drogas, por exemplo. O mesmo vale para a assistência aos grupos de mulheres suscetíveis a formas de violência em razão das condições de trabalho, emprego e renda. Exemplos são as trabalhadoras domésticas, profissionais do sexo, catadoras de materiais recicláveis, entre outras.

Atualmente, tramitam na casa seis PLS: nº 1291/2020v; nº 1319/2020vi; nº 1267/2020vii; nº 1552/2020viii; nº 1458/2020ix e o nº 1444/2020x.

Conhecer a realidade

Outro ponto destacado é que as propostas que tramitam no Legislativo carecem de medidas voltadas à produção de dados, com índices sobre idade, raça, cor e tipo de violência das vítimas. Isso permitiria que as informações fossem desagregadas e analisadas de forma aprofundada. Para isso, deveriam seguir as recomendações feitas pelos organismos internacionais dos sistemas de proteção dos direitos humanos.

“Tais informações são fundamentais para o planejamento adequado das respostas estatais, pois o Brasil ainda apresenta uma lacuna histórica na produção de dados confiáveis e acessíveis sobre as diferentes formas de violência de gênero contra mulheres e meninas”, justifica a nota.

O Consórcio Lei Maria da Penha pelo Enfrentamento a todas as Formas de Violência de Gênero contra as Mulheres é formado pelas ONGs Feministas Cepia, Cfemea, Cladem e Themis; ativistas; e pesquisadoras que atuam em defesa dos direitos das mulheres.

Veja mais:
Mulheres podem ser mais afetadas por crise econômica e violência doméstica em pandemia do Coronavírus, alerta ONU
Robô monitora projetos de lei sobre direitos das mulheres e publica alterações em rede social
Formação gratuita ensina mulheres sobre leis e políticas públicas para o fortalecimento dessa população

Crédito da imagem: Scienpies – iStock

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Notícias

E-book gratuito auxilia na prevenção ao adoecimento mental

Material detalha tipos de sofrimento psicológico e explica formas de acolhimento

há 6 dias
Notícias

‘Enciclopédia Sapatão’ reúne lutas e histórias de mulheres lésbicas brasileiras

Plataforma quer evidenciar pluralidade feminina, trazendo também recortes de raça e classe

há 4 semanas
Notícias

Cartilha alerta e instrui sobre violência sexual contra crianças e adolescentes

Material ensina a prevenir, identificar casos e traz passo a passo para denúncia

há 1 mês

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.