O Instituto Patrícia Galvão e a Fundação Rosa Luxemburgo elaboraram o livro Feminicídio #InvisibilidadeMata, que debate as características desse crime, denuncia sua perpetuação no Brasil – o quinto país com a maior taxa de assassinatos femininos no mundo – e destaca, ainda, a urgência do enfrentamento às violências contra as mulheres. A publicação foi disponibilizada gratuitamente pela internet.

O livro reúne reflexões, dados e pesquisas anteriormente publicadas na plataforma online Dossiê Feminicídio. “Debater esse crime é uma forma de mostrar que as discriminações e violências que atingem diferentes mulheres não só acontecem cotidianamente, como se perpetuam e se agravam. Assim, o debate visa evidenciar que essas mortes têm raízes discriminatórias e que o Estado, por ação ou omissão, é conivente. Há compromissos assumidos pelo poder público em leis e tratados internacionais que precisam ser colocados em prática com urgência”, relata a coordenadora da publicação, Débora Prado.

“As vozes reunidas no livro reivindicam uma verdadeira transformação da sociedade e do próprio Estado. Certamente, elas têm muito a contribuir para reverter este cenário em que mulheres morrem todos os dias em um contexto de invisibilidade, discriminação e em que não há prioridades política e orçamentária para ações públicas e serviços necessários”, acrescenta.

Deixe um comentário

Talvez Você Também Goste

Notícias

Mapa da Violência de Gênero disponibiliza informações sobre agressões a mulheres e LGBTQ+

Plataforma permite cruzamento online de dados e consulta de leis estaduais e nacionais

há 1 ano
Notícias

Aplicativo para celular combate agressões contra mulheres no Piauí

Salve Maria oferece canal de denúncias e botão a ser acionado em caso de emergência

há 2 anos
Notícias

Plataforma reúne dados sobre a violência contra as mulheres no Brasil

Foco são as violências doméstica, sexual e online, feminicídio e intersecção com racismo e LGBTTfobia

há 2 anos
Notícias

Região da América Latina e Caribe foi a mais perigosa para a imprensa em 2019, segundo a Unesco

De acordo com a entidade, cobrir assuntos locais é mais perigoso que zonas de guerra

há 7 meses

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.