O projeto Pé-de-pincha realizou, pela sexta vez, a soltura de filhotes de tracajás na comunidade do Mamori (AM). Essa ação acontece sempre entre o fim de fevereiro e o começo de março, período que aumenta a probabilidade de sobrevivência dos animais em virtude das cheias dos rios amazônicos. Assim como tartarugas, tracajás fazem parte do grupo dos quelônios.

Mais de 2 mil espécimes foram entregues à natureza este ano. O número de filhotes soltos foi 61% maior que no ano passado. Isso mostra que as pessoas da comunidade estão ainda mais envolvidas na proteção da espécie, já que o projeto conta com a consciência dos moradores em proteger os locais de desova e não incentivar a caça. De 2012 até 2017, 4.831 tracajás foram soltas no local.

Momento de soltura dos tracajás (crédito: divulgação)

 

Cerca de 300 pessoas estavam presentes no momento de soltura, ocasião marcante para a região, realizado na última quinta-feira, 15 de março. “É legal saber que é um evento importante para a comunidade e o quanto eles se dedicam a esse projeto”, revelou a especialista da área de sustentabilidade da Claro Brasil, Camila Borges da Silva.

“Estar em uma comunidade como o Mamori me mostra que a felicidade depende de quem eu sou, e não do que eu tenho! A demonstração de afeto que recebo vem da melhor maneira: a dedicação e o prazer ao nos convidar para uma refeição, contrastada com a simplicidade de uma mesa posta, sobretudo, à base de muito amor”, conta o gerente de sustentabilidade da Claro Brasil, Carlos Bueno, responsável pelo projeto no Instituto. “Amo o que faço, e o retorno que recebo dos ribeirinhos é a comprovação disto. Povo gentil, verdadeiro e, principalmente, feliz”, elogia.

O projeto

O objetivo do Pé-de-pincha é preservar os tracajás, espécie de quelônio existente na região Norte do país, e sensibilizar comunidades sobre a importância das causas ambientais. O nome foi dado no segundo ano de existência do projeto e surgiu porque as patas das tartarugas deixam pegadas na areia que se parecem com marcas de tampas de garrafas de vidro. Na Amazônia, essa tampinha é chamada de pincha.

“O Pé-de-pincha foi o início de outras iniciativas realizadas na região amazônica como, os cursos para formação de agentes ambientais voluntários e, desde 2017, um ônibus, que traz panfletos e conta com espaço para a realização de atividades educacionais com crianças sobre a preservação da natureza. Ainda há muito que fazer. É uma emoção e um prazer enorme participar dessa atividade”, afirma o gerente de operações do Norte, Camilo de Sousa.

Para saber mais, acesse o site oficial do projeto ou a página do Pé-de-pincha no portal do Instituto Claro e assista ao vlog da ação.

Deixe um comentário

Por favor, faça Login para comentar

Talvez Você Também Goste

Notícias

9ª edição do Campus Mobile promove lives com especialistas no mês de janeiro

Transmissões sobre tecnologia e inovação, voltadas aos participantes, serão abertas também ao público

há 2 semanas
Notícias

Téo & o Mini Mundo: uma mensagem de fim de ano com empatia e esperança

Audiodrama baseado nas tirinhas de Caetano Cury traz inspirações após um 2020 desafiador

há 4 semanas
Notícias

Conheça os projetos selecionados para participarem da 9ª edição do Campus Mobile

Próxima fase em formato online inclui série de lives abertas ao público

há 1 mês
Notícias

Mesmo na pandemia, projeto Pé-de-Pincha coleta mais de 8 mil ovos de tracajás no Amazonas

Com apoio do Instituto Claro, iniciativa age na preservação de espécie ameaçada

há 1 mês

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.