Você certamente já ouviu falar sobre assédio ou conhece alguma mulher que tenha passado por essa situação. No Brasil, 37% delas já sofreram alguma violência desse tipo, de acordo com a ONG Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Foi pensando em mudar essa realidade que Brenda Abreu (23), Vitor Hugo Moraes (23) e Mateus Bezerra (20) desenvolveram o SafeGirl – aplicativo que tem a intenção de reduzir o número de casos de violência, combatendo formas de opressão e proporcionando espaços de proteção e empoderamento para as mulheres. A iniciativa permite que usuárias do app, em todo o Brasil, descubram quais são os locais mais bem avaliados em aspectos como segurança, risco de assédio, atendimento e conforto.

“A história da plataforma nasceu quando Vitor Hugo soube que o edital do programa Campus Mobile estava aberto e convidou a mim e ao Mateus para entrarmos na competição com ele”, lembra a graduada em direito, Brenda Abreu.

Embora haja apenas uma mulher na equipe, os rapazes demonstram empatia e preocupação com essa causa, que impacta a vida de inúmeras mulheres no Brasil e outros países. “Meu interesse nasceu ainda na universidade. Sempre foquei minhas pesquisas na área dos direitos humanos. Além disso, acompanho a indignação de dezenas de amigas que sofrem diferentes tipos de assédio e violações, o que também me incomoda e faz com que eu queira colaborar com a luta delas”, pontua Moraes.

Para Mateus, a ligação veio por meio da convivência. “Desde muito novo, acompanho de perto as dificuldades que as mulheres do meu ciclo familiar passam para alcançar seus espaços e direitos na sociedade”, comenta.

O grupo não tinha grandes expectativas ao se inscrever no concurso, mas, ao serem classificados para a semana presencial – fase em que as equipes desenvolvem suas ideias com tutores, palestras e maratonas de programação –, eles perceberam que podiam ir mais longe. Para isso, era preciso se dedicar ainda mais.

“Começamos a ver videoaulas, frequentamos eventos de inovação, tiramos dúvidas e conversamos com profissionais do setor público e privado. Aos poucos, fomos nos familiarizando com os termos técnicos e nos apropriando da dinâmica cotidiana de uma startup”, lembra Abreu.

O caminho foi árduo e de muito trabalho. A equipe passou por momentos de tensão e, faltando apenas um dia para a banca que definiria os finalistas do concurso, os três empreendedores viraram a madrugada refazendo a apresentação do projeto.

“Somos mais capazes do que imaginávamos”, diz Bezerra. “Eu era o único que trabalhava com programação na minha equipe. Vitor e Brenda tiveram que aprender tudo do zero sobre startups. Nunca tinham trabalhado com a área de tecnologia e conseguiram, em um curto período, aprimorar nossa ideia”, acrescenta ele.

“Ficamos muito felizes com a classificação para a última etapa. A surpresa foi ainda maior com o resultado final: vencer na categoria Diversidade com uma causa que dá voz a muitas mulheres”, completa a garota.


Representatividade é importante!

Para Brenda, o desenvolvimento do SafeGirl foi um desafio. Principalmente porque defender essa causa não é apenas uma questão de equidade, mas também de sobrevivência para muitas mulheres – reflexão que inspirou o nome do aplicativo.

“Sou a única representante do sexo feminino entre os vencedores da 7ª edição do Campus Mobile, a única a ir para o Vale do Silício, nos Estados Unidos, representando todas que lutam diariamente por seus direitos”, enfatiza.

Ao final da entrevista, ela ainda deixa uma mensagem importante para quem sonha em criar a própria empresa ou lançar a própria iniciativa. “Empreender não é muito fácil, ainda mais sendo mulher e tendo nossas capacidades colocadas à prova o tempo todo. Porém, é necessário que a gente ocupe espaços de empreendedorismo, dando voz e visibilidade à nossa luta”, pontua.

Moraes finaliza com uma reflexão sobre como os homens podem auxiliar na causa. “É necessário sair da nossa ‘caixa’, reconhecer os privilégios e colaborar com outras lutas sociais. Apoie e colabore, principalmente tentando mudar a mentalidade machista que está enraizada na sociedade.”


Sobre o aplicativo

Atualmente, o SafeGirl está em fase de testes com usuárias para validação e aperfeiçoamento. Embora ainda não tenha sido lançado, a versão beta na PlayStore repercutiu nacionalmente e foi pauta em sites de tecnologia. O lançamento está previsto para o segundo semestre de 2019, com versões para os sistemas Android e iOS.
Para mais informações, acesse o site do SafeGirl.

https://youtu.be/vWLgk_qhAh4

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Notícias

III Encontro Nacional dos Voluntários Inspiradores celebra a força da solidariedade

Evento reuniu colaboradores da Claro participantes do Conexão Voluntária, Asume e Bem-estar Social

há 6 dias
Notícias

Confira os vencedores da 12ª edição do Campus Mobile

Anúncio dos ganhadores foi feito durante live no Instagram

há 3 semanas
Notícias

Evento do Dupla Escola promove debate sobre mercado de trabalho

Encontro reuniu novos e ex-alunos para discutir empregabilidade e compartilhar experiências

há 3 semanas
Notícias

Instituto Claro e Claro atuam na situação de calamidade pública do Rio Grande do Sul

Podem ser realizadas doações de itens nos locais de coleta, em diferentes estados do país, ou contribuições via pix

há 4 semanas

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.