Palavras como índio e escravo são termos ultrapassados e que não refletem os diferentes tipos de resistência e subjetividade de pessoas que até hoje fazem parte da história brasileira. É isso que explica a professora de história Erika Rocha, que sugere sua substituição por indígena e escravizado.

“O termo ‘escravo’, por exemplo, faz referência a uma condição natural. Portanto, ‘escravizado’, que remete a uma situação imposta por outras pessoas, é a palavra correta a ser utilizada. O mesmo acontece com ‘escravidão’. Esse termo pode ser substituído pelas palavras escravização ou escravismo, que estão muito mais relacionados à prática de um sistema econômico que existiu durante o período colonial”, explica Rocha.“Quando a gente troca escravo por escravizado a gente subentende um processo histórico em que uma pessoa passou por escravização – sequestrada da África e trazida para o território que hoje é o Brasil”, complementa.

A professora destaca também que o termo ‘índio’ carrega ideias ultrapassadas e genéricas e não abrange a diversidade que existe entre os povos originários. Assim, a mudança é necessária para refletir as ideias e lutas das diversas sociedades indígenas. No vídeo, Erika Rocha aborda estes e outros termos inadequados que estão presentes até hoje nas salas de aula e orienta como professores podem melhorar sua abordagem de ensino trabalhando na atualização deste repertório.

Veja mais:

Racismo nos clássicos da literatura brasileira: como abordar o tema com os alunos? 

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Como ajudar no desenvolvimento de crianças superdotadas?

Projeto “Mães guardiãs” busca combater a evasão escolar

Aulas de reforço de matemática facilitam aprendizado com exemplos do cotidiano

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.