Confira o vídeo com Libras e audiodescrição:

A pandemia do novo coronavírus e, por consequência o distanciamento social, tem afetado estudantes em todos os níveis de ensino. Para crianças e adolescentes com algum tipo de deficiência, que contavam com atendimento especializado nas escolas, as perdas podem ser ainda maiores.

Em razão disso, professoras e professores que trabalham com Atendimento Educacional Especializado (AEE) estão adaptando suas práticas para auxiliarem o desenvolvimento dos estudantes durante o ensino à distância.

Segundo a professora e psicopedagoga na rede estadual de ensino de São Paulo Camila Rodrigues, a chave para combater a evasão de estudantes com deficiência está no acolhimento e no olhar individualizado para desenvolver o trabalho. “Entender que o aluno é único e tem experiências únicas vai facilitar para o professor entender que o currículo também precisa ser acessível para diferentes formas de pensar e ser”, afirma. Camila trabalha com crianças com deficiência intelectual e transtorno do espectro autista.

Nessa entrevista, ela conta sobre sua experiência em transportar a sala de recursos do AEE para o ensino remoto e traz caminhos para professores melhorarem seus atendimentos com as ferramentas disponíveis.

 

Veja mais:

Alunos com deficiência da rede pública estão mais vulneráveis na pandemia

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Cozinha experimental na escola: atividade constrói conhecimento multidisciplinar

Yoga na escola: prática ajuda a reduzir ansiedade e estresse de alunos

Como a escola pode auxiliar na transição da educação infantil para o ensino fundamental?

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.